quinta-feira, 24 de maio de 2018

“Mas até mesmo os cachorrinhos comem às migalhas que caem debaixo da mesa dos seus donos”.


Imagine-se vocês no meio dos judeus que já por costume não aceitava uma mulher no meio deles, e agora tomando à palavra para falar? Seria o cúmulo!
Agora pense que essa geração além de ter constituído normas, e saber sobre proibição de carnes imundas, saber de comer no chão das migalhas que caem da mesa? Um absurdo!

É comum para um judeu não consumir nada impuro e principalmente carne de porco: “Não comam carne de porco. Para vocês os porcos são impuros porque tem o casco dividido, mas não ruminam. Não comam nenhum desses animais, nem toquem neles quando estiverem mortos”. (Deuteronômio 14.8).

Se já era costume não comer das carnes imundas, o que dizer daquilo que caia da mesa? Seria como ignorar uma tradição por completa e poderiam pensar que estaria afrontando à Deus.

Lembre-se do caso das acusações dos fariseus quando ao ver os discípulos comendo sem lavar às mãos. “Eles viram que alguns dos discípulos dele [Jesus] estavam comendo com as mãos impuras, quer dizer, não tinham lavado as mãos como os fariseus mandavam o povo fazer... – Por que é que os seus discípulos não obedecem aos ensinamentos dos antigos e comem sem lavar as mãos?”. (Marcos 7.2 - 5).

Não estamos defendendo em não lavar as mãos, mas sobre o paradigma que era adotado na época como era tratado a sociedade que não obedecesse aos “valores” que uma geração impunha como habito.

Estamos agora diante de um “pecado grave”, o de comer embaixo de uma mesa, pois segundo uma religião (dos fariseus), não se podia nem comer sem lavar as mãos, imagine comer no chão? O cúmulo da aceitação!

Sim, meus caros, o cúmulo se faz presente aonde Jesus Cristo se apresenta.

O cúmulo é tentar compreender que uma mulher se dispôs em ir ao encontro de um homem, pois como sabemos uma mulher era como um resto, e o que dizer, de uma cananeia? Ora, seria um cúmulo uma estrangeira vir ao encontro de um mestre? Sim, um cúmulo.

Mas como bem tratamos, o cúmulo agora se faz presente, se faz, em precisão, e quer resolver seus problemas, pois para isso, não deixaria de ser o próprio cúmulo.

Não bastava chegar perto para ter um encontro com Jesus, contudo, gritar: “- Senhor, Filho de Davi, tenha pena de mim! A minha filha está horrivelmente dominada por um demônio!” (Mateus 15.22).

Você já se viu em uma situação de desespero? Você já presenciou uma mãe ou pai perdendo seu filho, o que eles são capazes de fazer? Pois é, meus caros, realmente é onde o cúmulo aparece.

Vemos uma mulher rejeitada pela sociedade só por ser mulher, e agora estrangeira? Pior ainda!

Era de tradição, isto é, proibido, que não se podia casar com uma mulher de Canaã, pois além de serem pertencentes de outros povos, ainda tinha como adoração, deuses pagãos, feitos de esculturas, imagens, gessos e pedras.

Leiamos: “Jure pelo Senhor, o Deus do céu e da terra, que você não deixará que o meu filho Isaque case com NENHUMA MULHER DESTE PAÍS DE CANAÃ onde estou morando”. (Gênesis 24.3).

O texto não deixa claro sobre o porquê, mas quando estudamos sobre o país compreendemos o motivo da não aceitação dessa união, visto não adoravam o Deus verdadeiro, e, portanto, da sua proibição.

Para os judeus discípulos ou não, o que importava era que somente os homens pudessem se aproximar de seu mestre. E agora uma mulher, seria o improvável, isto é, o impossível por causa da tradição.

Mas como bem tratado, Jesus quebra à lógica, mesmo num primeiro momento sem parecer que não está ouvindo.

Nosso problema é sempre achar que Jesus está surdo para nossas orações.
Nosso problema é sempre ou quase sempre a preocupação com que os outros irão pensar de nós.

Gostamos muito de mulheres caprichosas, pois quem não quer apresentar uma casa perfeita? Quem não quer mostrar aos amigos que tem a mulher melhor do mundo, cuidadosa, que cumpre das suas obrigações? Acredito que todos!

O problema agora se compõe de um desespero, não de beleza. Não de uma mera representação, mas de angústia, e de morte.

Cuidados quase todos tomam nos lares, ao entrar ao sair, ao pisar. Eu mesmo quase sempre não piso no tapete com chinelos, geralmente tiro-os antes de me adentrar, para não contamina-lo com à sujeira que temos embaixo deles advindo de onde pisamos nas ruas.

“Mas Jesus não respondeu nada. Então os discípulos chegaram perto dele e disseram: - Mande essa mulher embora, pois ela está atrás de nós, fazendo muito barulho!”. (verso 23).

Ah, meus caros, como é triste pensarmos que somos o rei da razão, como pensamos que estamos com à lógica. As lógicas às vezes são quebradas afim de mostrar para nós que não somos nada diante dAquele que sabe tudo.

O ouvido de Jesus já havia escutado o clamor daquela mulher. Então, porquê Ele não atendeu logo? Porquê Ele queria ouvir o que os discípulos tinham para dizer.

Jesus quer dá uma lição para os doutores da lógica que não é bem assim.

Jesus quer alegar da sua sabedoria mesmo aos barulhos que encontramos hoje quando vemos os aflitos e não queremos escuta-los.

A mulher cananeia queria tratar da filha doente, mas Jesus queria tratar não somente do seu problema, mas dos discípulos (pastores) contemporâneos também.

Sempre é bom estarmos preparados com inteligência para responder a todos que nos interrogam, como bem estudarmos para compreender dos propósitos da sociedade, da vida e do mundo. Entretanto, não basta sabermos quando se trata da fé, pois ela nos parece sem muita lógica, uma vez que isso depende do sentimento dos outros e por vezes não compreendemos bem disso.

Você consegue enxergar, uma cananeia que nem quer saber quem está presente, homens (discípulos, doutores da lei, fariseus)?

Você consegue enxergar, que ela em dado momento não quer ser mulher, porém uma mulher em desespero, e que só quer a cura de sua filha?

Você consegue enxergar, que ela demonstra que acredita num homem, pois outros diziam-lhe, “somente Ele pode fazer você feliz, e que pode curar sua filha?”

Você consegue enxergar, a fé dessa mulher, querendo comer das migalhas do chão, pois se faz de um(cão)?

Pois bem, aqui está quase traçado o ilógico da aflição, porém, contudo, não é só isso: “Jesus respondeu: - Eu fui mandado somente para as ovelhas perdidas do povo de Israel”. (Verso 25).

A mulher era cananeia, os cananeus segundo a lógica dos discípulos, dos mestre da lei (pastores contemporâneos), era uma perdida, uma sem futuro, sem talvez marido, uma que não tinha cuidado com seu lar no sentido de limpeza, pois queria comer no chão, e de lá é onde está a pior das impurezas, e eles não poderia admitir, uma vez que o que se sabe nada impuro poderia entrar nas bocas dos mesmos.

Perceba que aqui não é uma defesa do que é puro e impuro, mas de como se quebra valores que homens impõe para sua sociedade, e após, da qual é desconhecido.

Em certo sentido eles tem razões suficientes para não gostar. Eles foram ensinados que não se podiam dá atenção para uma mulher, ainda mais barulhenta (verso 23).

Eles foram ensinados que não deveriam casar-se com umas estrangeiras, embora sem em primeiro momento saber das suas origens, mas descoberto depois.

Eles foram ensinados que não poderiam se misturarem com os idólatras que era uma proibição do próprio Deus. (Êxodo 20.5).

Diante desses fatores, o que mais queriam, eram silencia-la, expulsa-la do seu meio.

A resposta de Jesus quando afirma que veio para às ovelhas perdidas em dado momento causam-lhe espantos.

Como pode um homem dá ouvido para uma mulher? A lógica deles estava comprometida.

Agora eles presenciam uma mulher ajoelhar-se diante de um homem. Em certo sentido, poderiam até gostarem, pois estava aos pés de um homem, coisa tragado de suportar, mas não de se dirigir.

“Então ela disse: - Senhor me ajude!” (Verso 25).

Você já pediu ajuda para Jesus da sua presunção afim de ser menos orgulhoso?

Você já pediu ajuda para Jesus da sua arrogância no intuito de ter menos elevação?

Ou você se acha grande demais que não pode ajoelhar-se em forma de humildade, assim como faz um cão?

Todos os dias quando abro a porta da minha casa meus cães balançam o rabo e latem mostrando da sua alegria em ver-me.

A mulher cananeia não se importou em ser uma cadela, pois ela tinha na sua consciência que os estrangeiros, perante os doutores da lei (pastores fariseus) e discípulos, tratavam-na como tal, e, se, pois, de joelhos.

Para ela não se importava o constrangimento, somente que sua filha fosse curada.

Não queria saber de se quem estava presente, não estava presa em meros favorecimentos.

Não estava ali por aparência, pois muitos estavam mesmo sendo até discípulos.

Você consegue enxergar, que na igreja hoje muitos estão supostamente seguindo Jesus Cristo por aparência?

Você consegue enxergar, que muitos dão os dízimos para que seus pastores não os julguem como infiéis?

Você consegue enxergar, que os homens não são os doutores da lei, e muito menos conhecem o que está no coração das pessoas?

Você consegue enxergar, que os pastores contemporâneos podem dá orientações, mas quem dá o milagre é Jesus Cristo?

“Jesus disse: - Não está certo tirar o pão dos filhotes e joga-lo para os cachorros”. (Verso 26).

O próprio Jesus Cristo jogando na cara dela que ela era uma cachorra. Jesus Cristo sempre mostrou os costumes que outrora tinham os judeus com o objetivo de ensiná-los o verdadeiro caminho a seguir.

Não esqueça, ela era mulher, era estrangeira, e, portanto, uma cadela (ou cão).

A cultura trazia-lhe uma raiz profunda de rejeição para uma comunidade puramente masculina e patriarcal.

Uma mulher nos tempos de Jesus Cristo como muitos já sabem, não era nada e pior que nada.

A mulher era usada como reprodutora de filhos, e ainda estrangeira? A sua perspectiva, seria ser mais que nada.

Ela entendia da sua insignificância, pois logo em seguida afirma: “- Sim, Senhor, - respondeu a mulher – mas ate mesmo os cachorrinhos comem as migalhas que caem debaixo da mesa dos seus donos”. (verso 27).

Você está com medo de comer às migalhas por que se juga melhor, e não pode pegar dos restos?

Você tá com medo de casar de novo por que acredita que já casou duas vezes e não deu certo, e agora, o que seria do próximo?

Você tá com medo por que pensa saber de outra pessoa, mas no fundo no fundo, você pensa que sabe, mas na verdade, é que você não sabe nada dessa pessoa?

A mulher cananeia não teve medo do que os outros (homens fariseus ou não) poderiam pensar dela. Sim, o caso dela não era de casamento, não era de trabalho, não era de solidão, mas de cura.

E porque seu problema era de cura, você pensa que ela não agiria do mesmo jeito se fosse outro problema? Ela tinha fé, e acreditava profundamente em Jesus Cristo; quando jogou todos os seus medos longe – aproximando-se dEle.

Se fosse por “N” motivos ela agiria da mesma maneira, visto sua importância não se tratava de pessoas olhando-a, mas de solução.

Por muitas vezes nossos problemas são tão grandes que nenhum homem pode trazer solução.

O único que pode resolver nosso problema é Jesus Cristo.

Você pensa porque tem um bom cargo, tem status na igreja, é conhecido(a), é atuante, é homenageado(a), isso te garante salvação (solução)?

A salvação não é por obras, mas somente pela fé. A mulher cananeia não quis saber de obras, mesmo indo ao encontro do Mestre. Ela usou a única coisa que possuía com toda a convicção: sua fé.

Com sua fé ela estava disposta em comer das migalhas que caia da mesa. 
Você está preocupado(a), porque a pessoa que você está se relacionando já é migalhas de outra pessoa?

Você está preocupado(a) porque não é mais virgem e de o que iria pensar de mim, pois já sou migalha de uma pessoa que me usou e me deixou?

Você está preocupado(a) em comer das migalhas, visto os outros dizem para não fazer isso, uma vez que conhece aquela pessoa e ela não merece você, pois supostamente você é melhor do que ele(a)?

Então você ainda não se tornou um cachorro ou cadela e necessita ainda tornar-se.

Muitos ainda não entendem: mas é melhor ser amigo(a) dum cão do que muitas vezes de pessoas.

Os cães dificilmente te traem, aliás, eu nem sei bem certo se eles têm esse sentimento de traição. Acredito que não!

A estranheza de um cão quando ataca o seu dono por vezes, existem muitos fatores.

Certa vez um veterinário havia falado para meu pai que o fila brasileiro, um cão muito requisitado para desfiles de exposições, tinha o crânio menor que seu tamanho de cérebro, e dai da sua aflição, pois forçava-lhe sua estrutura cerebral.

Geralmente quando saímos ou entramos no nosso portão pra dentro das nossas casas, acreditamos, isto é, temos fé, que eles (os cães), não irão nos atacar.

A fé que eles não nos atacarão é muito grande, acho até que é incompreensível dado a fé que possuirmos neles.

Assim foi o mesmo que fez a cadela cananeia, fé no seu dono. Sim, meus amigos, Jesus Cristo era o dono daquela cadela. Seu coração já estava ligado com seu dono e sabia que ele iria dar-lhe de comer na hora certa.

“– Mulher, você tem muita fé – disse Jesus – Que seja feito o que você quer!”.

Queremos tantas coisas, mas não confiamos no nosso dono. Somos cães sem dono!

Queremos que os homens (fariseus e discípulos), sejam nossos donos, mesmo Jesus Cristo.

O problema está aí! acreditamos e cremos nos homens, mas no verdadeiro dono das coisas, nada.

Acreditamos que água pode nos curar, e vamos às igrejas para beber porque os homens (fariseus), nos dizem que foram trazidas de Israel. Pronto, acreditamos!

Acreditamos que o sal grosso atrás das portas nos protege porque os homens (fariseus), nos dizem que é do mar da Galileia. Pronto, acreditamos!

Acreditamos em véus nas igrejas se passamos por baixo porque os homens (fariseus), nos disseram que o manto do tabernáculo de Jerusalém. Pronto, acreditamos!

Acreditamos em “santos”, isto é, gessos, esculturas e pedras, pois homens (fariseus), nos disseram que nos trazem se usarmos no pescoço ou num altar para adoração. Pronto, acreditamos!

Só que não queremos acreditar no dono de tudo!

Só não queremos acreditar no dono dos cães, pois ainda não nos tornamos um, visto temos vergonha das migalhas.

O que nos impede de sermos como são, são mesmo às migalhas que caem das mesas.

“– Eu não quero comer migalhas nenhuma!”;

“– Eu não fui nascido para comer migalhas!”;

“– Eu quero o melhor dessa vida, um bom casamento, uma boa casa, um bom emprego e bom marido ou esposa!”;

“– Eu quero prosperidade, pois os homens (fariseus), nos dizem que deve ser assim!”;

E por fim: “– Eu não quero ser cão ou cadela de ninguém!”, haja vista teu dono é deste mundo.

Não é nada demais querer coisas boas, afinal pode-se dizer: é muito bom poder usufruir do que seja bom, agora em meio às aflições, o que é bom muitas vezes não te trás a solução, só o dono dos cães pode resolvê-las.

O mundo de hoje prega e dogmatiza eficazmente que um sujeito(a), tem que ter coisas para ser feliz, pois o meio exige isso dele. Você está trocando sua fé pelas coisas sem se dar conta disso!?

Os pastores contemporâneos impõem isso nas nossas mentes que ter é ser um cristão verdadeiro, uma vez que isso demonstra quando vivendo “bem” sobre um montante de coisas, Jesus está conosco. Isso pode ser um engano maligno!

Podemos nem se dá conta que somos ímpios, pois estamos vivendo muito “bem”. Percebeu?

Tendo comida, roupa bonita para apresentarmos nas igrejas todos os sábados ou domingos, um carro moderno, uma casa bonita para recebermos nossos amigos, uma participação na igreja e tudo mais... Pensamos: estamos bem com Deus!

Os discípulos estavam com Jesus Cristo, caminhavam com Ele, presenciavam dos milagres, partilhavam de milagres como no caso dos pães e peixes, mas muito ainda não estavam convertidos ao dono dos cães. Percebeu? Não basta andar, ter, comer ou qualquer outra coisa – o importante é ter fé, é comer das migalhas que caem das mesas.

Enquanto não nos dispusermos em comer das migalhas, não estamos prontos para o dono do cães. (Jesus Cristo). {G}.

Um blog abaixo da média, mas desafiando a lógica.

http://igrejaremanescente-igrejaremanescente.blogspot.com.br/* Serão permitida reprodução total quanto parcial, onde poder ser incluídos textos, imagens e desenhos, para qualquer meio, para sistema gráficos, fotográficos, etc., sendo que, sua cópia não seja modificada nem tão pouca alterada sua forma de interpretação, dando fonte e autor do mesmo. P.Galhardo.

quarta-feira, 2 de maio de 2018

"Cinco maridos tu tiveste e agora o que tens não é teu".


Outro dia eu havia escrito no facebook que Deus estava me incomodando muito para eu falar sobre esse assunto, e que iria e queria pensar. Ontem me deparei com um post de um jovem da qual ela bem dizer denuncia um homem por não ter esperado se divorciar para casar novamente.

Ora, o que todos querem é ser feliz, é encontrar uma pessoa que te faça um ser por completo cheio de felicidade, mesmo que isso na literalidade seja quase impossível, mas ao menos, esse é o propósito de todos.

Segundo o dicionário da língua portuguesa, Soares Amora, o casamento é uma “união legítima entre um homem e uma mulher”. Então seguindo uma lógica racional, quando um homem se une integralmente e com o objetivo sincero de está junto no sentido literal, faz-se casado.

Existem muitas controvérsias com relação ao casamento, uma vez que ele só é casado “literalmente” quando assinado um papel. Embora hoje já se admita uma união instável como casado, dando seus valores em vários campos, mas ainda à igreja só o consideram casados realmente, ao assumir o compromisso diante de todos perante ela e o cartório.

Claro que existe uma lógica para isso: o fato de estarem comprometidos sinceramente um com o outro; embora, isso não garante nada quando não houver alegria e "felicidade".

O casamento bíblico

Sobre o divórcio, ante um casamento que o marido se voltou contra a sua mulher, Moisés quando em orientação para o povo, disse: “– Pode acontecer que um homem case, mas depois de algum tempo um não goste mais da esposa porque há nela alguma coisa que não agrada a ele. Neste caso ele deve preparar um documento de divórcio entrega-lo a esposa e manda-la embora. Ela irá, e então poderá acontecer que case com outro homem e que este também não goste mais dela e se divorcie, ou então poderá acontecer que ele morra. Em qualquer um desses casos, o primeiro marido não poderá casar de novo com essa mulher; ela é impura para ele. Casar de novo com ela seria uma ofensa contra Deus o Senhor. Portanto, não deixem que se cometa um pecado tão grande assim na terra que o Senhor, nosso Deus lhes está dado para ser de vocês”. (Deuteronômio 24.1-4).

O que me chama a atenção neste contexto, não é em si o divórcio, mas ela poder casar-se de novo com outro homem sem a rejeição de Deus.

Jesus também havia sido interpolado no mesmo assunto: “... – Será que pela nossa Lei um homem pode, por qualquer motivo mandar a sua esposa embora (repudiar)? Jesus respondeu: - Por acaso vocês não leram o trecho nas Escrituras que diz: ‘No começo o Criador os fez homem e mulher’? E Deus disse: ‘Por isso o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua mulher e os dois se tornam uma só pessoa. Assim já não são duas pessoas, mas uma só. Portanto, que ninguém separe o que Deus uniu.

Os fariseus perguntaram: - Nesse caso, por que é que Moisés permitiu ao homem mandar a sua esposa embora se der a ela um documento de divórcio?

Jesus respondeu: - Moisés deu essa permissão por causa da dureza do coração de vocês; mas no princípio da criação não era assim. Portanto eu afirmo a vocês o seguinte: o homem que mandar a sua esposa embora a não ser em caso de adultério, se tornará adultero se casar com outra mulher”.

Isso parece ser uma determinação contundente sem nenhuma mais interrogação. Porém, como sabemos não devemos ser somente um verso ou vários versos, mas o contexto no geral, pois a caso e mais caso: “Os discípulos de Jesus disseram: - Se é esta a situação entre o homem e a sua esposa então é melhor não casar.
Jesus respondeu: - Este ensinamento não é para todos, mas somente para aqueles que Deus o tem dado. Pois a razões diferentes que tornam alguns homens incapazes para o casamento: uns porque nasceram assim; outros, porque foram castrados e outros ainda não casam por causa do Reino de Céu. Quem puder, que aceite este ensinamento”.  (Mateus 19. 1-11).

Por mais que o contexto nos leve em não se divorciar o que me chamou a atenção, foi o fato que: “Este ensinamento não é para todos, mas somente para aqueles que Deus o tem dado”. Veja, qual era a situação da época? Era por simples fato de uma mulher na visão deles não ser decente; ou por qualquer outro motivo ser mandada embora ou repudiada. Isso tornou-se um costume. Por isso, a condenação de Jesus diante desses fatos. Mas levando em conta, “não é para todos”, e a “quem Deus tem dado”, podemos afirmar com certeza que era para aquela geração; mesmo que usemos para nossos dias, uma vez que o passado pode vir à tona.

Devemos compreender que Jesus (Deus) é compreensivo, é misericordioso, e não iria condenar eternamente uma pessoa que se divorcia para ser feliz, desde que seja por um motivo sincero e justo. NADA DE QUALQUER COISA como no passado!

Por que afirmo isso? Ora, Jesus condena um fingimento, isto é, a falsidade, pois isso não nos torna sincero diante daquele que conhece nossos corações: “– Ai de vocês, mestres da Lei e fariseus, hipócritas! Pois vocês fecham a porta do Reino do Céu para os outros, mas vocês mesmos não entram, nem deixam que entrem os que estão querendo entrar...”. (Mateus 23.13).

O importante para Jesus: é o servo sincero, aquele que serve com humildade e sinceridade mesmo havendo problemas no caso, o divórcio.

“... Aí de vocês, mestres da Lei e fariseus, hipócritas! Pois vocês dão a Deus a décima parte até mesmo da hortelã, da erva-doce e do cominho, mas não obedecem aos mandamentos mais importantes da Lei, que são: o de serem justos com os outros, o de serem bondosos [misericordiosos] e o de serem honestos. Mas são justamente essas coisas que vocês devem fazer de lado as outras. Guias cegos! Coam um mosquito, mas engolem um camelo! (Mateus 23.23).

Poderíamos salientar os mais diversos assuntos referente ao casamento, como exemplo: o arrependimento do povo de terem casados com mulheres estrangeiras e de nações pagãs, onde depois tiveram que mandarem embora, isto é, divorciaram-se. (Esdras 10-1-44). Veja esse pequeno verso diante do contexto: “... Eles prometeram se divorciar das suas mulheres e oferecerem um carneiro como sacrifício pelos seus pecados”. (verso 19).

Entenda que aqui não se trata somente do divórcio, mas de uma redenção para com Deus. Embora pareça que todos os homens se divorciaram e mandaram das suas mulheres embora, a misericórdia de Deus também as alcançou, daquelas que quiseram estarem convertidas aos costumes do povo de Deus (O Israel). Percebeu? 

Veja: “... Avisaram também que, por ordem dos governadores e lideres do povo, qualquer pessoa que não chegasse no prazo de três dias perderia as suas propriedades e também o direito de fazer parte do povo de Israel”. (verso 8).

Entendeu? A qualquer pessoa, designa que todos tinham o mesmo direito. Pois qualquer é um pronome indefinido, onde pode ser traduzido como: todo.

Assim, Deus mostra aqui sua misericórdia, mesmo ao um povo que está diante de mandar suas mulheres embora (repudiar, divorciar-se).

Vemos ainda um exemplo pior: de uma prostituta casando com um homem de Deus. Quem era essa prostituta? Qual era o propósito de Deus?

Ela era uma prostituta do templo de Baal, o deus cananeu da fertilidade. Desse casamento nascem dois filhos e uma filha, que recebem nomes simbólicos: “Jezreel” (1.4), “Não-Amada” (ver 1.6) e “Não-Meu-Povo” (ver 1.9).

Essa experiência triste é importante para compreendermos que não devemos abandonar o Senhor, e no caso de Oséias, uma realidade de um drama sobre o aspecto da admissão de casar-se com uma prostituta. Não poderia se divorciar, mesmo quando ao julgo do abandono, ele procura-a novamente, afim de permanecer unidos para uma reprovação do que o povo de Israel e do povo de Judá estavam fazendo que incomodava o Senhor.

O livro de Oséias retrata dois tipos de natureza do Deus do céu: 1) Ele admite que uma prostituta permaneça entre um homem puro e justo para que ele entenda que um pai não abandona seu filho mesmo em pecado, por mais indiferente em ele possa está diante do que Deus quer para sua vida. 2) Deus mostra sua misericórdia quando trata uma prostituta com amor quando em união permanente com um homem de Deus. Trazendo-a de volta mesmo que ela se vai embora.

Neste caso, Israel quer divorciar-se de Deus, mas ele corre atrás dele no intuito de mostrar do quanto Ele o ama. “Povo de Israel, volte para o Senhor, seu Deus! Você caiu porque pecou. Voltem para Deus”. (Oséias 14.1-2).

Embora o contexto represente o amor de Deus para um povo rebelde e fujão, o assunto que me causa maior espanto, é o fato de uma mulher adultera em todos os sentidos; pois ainda em está em comum acordo na prostituição em relacionamentos constantes; deitando-se com vários homens. Ela ainda é considerada uma mulher de um deus da fertilidade, onde tornar-se, uma prostituta de vários deuses (em adoração).

Você consegue perceber a misericórdia de Deus diante de uma mulher e de um povo? 

Você consegue enxergar que mesmo em meio ao um divorcio Deus ainda ama seu povo?

Qual era o problema de Deus com seu povo? Era porque diante de casamentos pagãos, eles não mais os adorassem Ele.

O retrato não era simplesmente por causa de divórcio num contexto de casamento entre um homem e uma mulher. Os contextos estavam referindo-se à ADORAÇÃO.

Querem provas? Então toma: “O povo de Judá tem sido infiel a Deus, e o povo de Israel e os moradores de Jerusalém fizeram coisas nojentas. O povo de Judá profanou o Templo que o Senhor ama, e os homens casaram com mulheres que adoram ídolos”. (Malaquias 2.11).

Você não ver hoje “Pastores”, pregando sobre a infidelidade dos homens e mulheres e apresentam esses textos de Malaquias alegando ser sobre o conjunto – homem e mulher? Pois estão equivocados! O contexto é sobre uma separação de Deus e seu povo. E quanto ao assunto de mulher é uma representação simbólica de Deus diante seu esposo, Israel.

Deus se traduz como uma mulher fiel, e Israel como um homem infiel. Embora o contexto nos mostre sobre casamentos feitos com um povo de Deus, mas um povo infiel pagão, o referido quer nos apresentar de maneira contundente o relacionamento de Deus e seu povo. Não se trata de maneira somente de um matrimônio infiel porque isso só serve de representação mesmo sendo realidades envolvidas. O que Deus quer justamente mostrar com toda perfeição, é da não separação Dele.

O retrato pode está composto da realidade de ajuntamento entre homens e mulheres, mas o fundo de verdade está associado ao divórcio no sentido pleno de Deus.

Ora, se dentro de um contexto geral Deus não quer que o homem se divorcie, então por que manda que os homens se divorciem das mulheres pagãs? Veja que existe um contexto. 

Então há sempre um contexto representativo para cada problemática. Não podemos pegar para nossos favores ou propósitos, que todos os contextos estejam interligados ao não divórcio como fazem muitos “pastores”.

Mas mesmo diante disso tudo, Deus ainda mostra sua misericórdia dentro desses todos os contextos. Percebeu? Ele sempre ama o homem (sentido genérico).

Irei mostrar uma representação de um autor que achei muito relevante, e depois retorno com os meus argumentos.
João 4:1-30
Essa passagem em que Jesus conversa com a mulher samaritana é conhecida e usada por muitos pregadores para mostrar que Jesus não tinha preconceito com nenhum povo ou raça e que a salvação era para todos.
Mas ela tem um significado muito maior do que isso.
É preciso se conhecer a história (principalmente a história de Israel) para entender exatamente o teor desse diálogo.
Samaria e Israel pertenciam há um mesmo reino nos tempos de Davi e Salomão. Esse reino era composto pelas doze tribos de Israel. No século XI a.C. o reino foi dividido em dois: ao sul ficou o reino de Judá, composto pelas tribos de Judá e Benjamin, com sua capital em Jerusalém, e ao norte o reino de Israel, composto pelas outras dez tribos restantes e com sua capital em Samaria.  Os habitantes do reino do Sul eram os judeus e os do reino do Norte os samaritanos.
Em 722 a.C. o rei Salmaneser da Assíria conquistou o reino de Israel. Com o objetivo de destruir os sentimentos nacionais dos povos conquistados, ele levou muitos dos samaritanos para outras terras de seu domínio e trouxe estrangeiros de outras terras para Samaria. Os samaritanos que ficaram casaram-se com as estrangerias que vieram, da mesma forma que os estrangeiros se casaram com as samaritanas. Por causa dessa mistura, os judeus não reconheciam os samaritanos como “puros”, e os tratavam com desprezo. Por essa razão a mulher estranhou o fato de Jesus conversar com ela e lhe pedir água, pois os judeus sequer falavam com os samaritanos.
Não quero me alongar com a interpretação do texto, mas gostaria de focar principalmente em mostrar quem eram os cinco maridos da mulher samaritana.
A mulher do texto não tem nome. Ela representava todo o povo de Samaria.
Cinco povos estrangeiros vieram habitar Samaria, conforme II Reis 17:24 “O rei da Assíria trouxe gente de Babilônia, de Cuta, de Ava, de Hamate e de Sefarvaim e a fez habitar nas cidades de Samaria, em lugar dos filhos de Israel; tomaram posse de Samaria e habitaram nas suas cidades”. Esses eram os cinco maridos da mulher samaritana.
Esses povos trouxeram consigo seus costumes, religião e deuses:
Babilônia – cultuavam uma deusa chamada Sucote-Benote.
Cuta – cultuavam o deus Nergal.
Ava – cultuavam deuses Nibaz eTartaque
Hamate – cultuavam a deusa Asima.
Sefarvaim – cultuavam os deuses Adrameleque e Anameleque
O sexto marido era a situação atual em que se encontrava Samaria. Não tinha uma aliança com Deus. Jesus agora era o marido e oferecia a mulher uma aliança eterna.
Jesus não escolheu o poço de Jacó para ter essa conversa com Samaria por acaso. Por causa de toda essa mistura religiosa que Samaria havia passado, eles eram rejeitados pelos judeus. Jesus então diz para Samaria que Ele agora é o “dono do poço”. E é Ele quem agora chama Samaria de volta, e mais, diz para que todos os povos que ali habitavam, que cultuavam outros deuses, que eles também poderiam vir.
A água que Ele estava oferecendo não tinha mais distinção de judeu, samaritano ou gentio. A água era para todos.
Autor: Domingos Alves Carneiro.
Embora, eu possa concordar que dessas nações vieram e trouxeram tal costumes ao povo de Israel sobre o aspecto fidelidade de adoração, o fato envolvido está relacionado que ela havia tido e ainda permanecia envolvida com homens no sentido literal.

Posso crer no sentido de outros povos relacionarem-se com o povo de Israel, e trazer-lhes outros tipos de oferendas. Contudo, o fato também se traduz da importância de Deus ser misericordioso diante ao um divórcio, pois ela já havia no sentido literal se separado de cinco maridos.

Por que eu posso afirmar isso, ou seja, que se trata de maridos no sentido literal? Ora, pelo simples fato que Jesus tratava-se com pecadores.

Mas poderia alguns dizer: o contexto do autor também se refere ao fato de aproximação de pecadores ante aos outros povos. Certo, concordo. Mas lembre-se que os samaritanos também já haviam escutados nas suas interpretações sobre um Messias que haveria de vir. E isso demonstra o fato de ela poder está em íntima espera, e assim um suposto relacionamento fiel. Percebeu? Ela como samaritana poderia não ser “pecadora” no sentido absoluto, isto é, não está com o pecado imperdoável.

Assim, considero que ao Jesus dizer: “... pois já teve cinco, e este que você tem agora não é, de fato, seu marido. Sim, você falou a verdade”. (João 4.18).

Você consegue enxergar que Jesus não estava simplesmente falando sobre nações, isto é, reinos pagãos, mas o amor diante de uma mulher que outrora estava em pecados (com vários maridos), reconciliando-se?

Você consegue enxergar que Jesus não a condenou por ter tido cinco maridos, e agora o que ela tinha não era dela?

Veja que mesmo da sua interpretação sobre a adoração que “os nossos antepassados adoravam a Deus neste monte”, isso não determina de forma real o fato de que representar-se somente nações.

Os samaritanos eram também descendentes de tribos advindas das tribos do Norte de Israel, pois ela cita Jacó. (verso 12). Ademais, o que está aqui envolvido no contexto, é da sua conversão e da aceitação dela de Deus (Jesus Cristo) como o Messias esperado.

Veja que Jesus Cristo interpola ela quanto da sua adoração dizendo: “– Mulher, creia no que Eu digo: chegará o tempo em que ninguém vai adorar a Deus nem neste monte nem em Jerusalém. Vocês, samaritanos, não sabem o que adoram, mas nós sabemos o que adoramos porque a salvação vem dos judeus. Mas virá o tempo, e, de fato, já chegou em que os verdadeiros adoradores vão adorar o Pai em espírito e em verdade. Pois sãos esses que o Pai quer que o adorem. Deus é Espirito e por isso os que o adoram devem adorá-lo em espírito e em verdade”. (João 4.21-24).

Você consegue enxergar que ela já era uma adoradora em espírito de um Messias que nem conhecia?

Você consegue enxergar que o que importa para Jesus é que estejamos em adoração em espírito e verdade mesmo não estando em Jerusalém (Igrejas, montes etc.)?

Você consegue enxergar que ela havia se divorciado cinco vezes e que o que ela tinha agora não era dela, e mesmo assim foi aceita por Jesus?

Você consegue enxergar que os samaritanos mesmo sendo rejeitados (como alguns são, por causa de situação financeira, etnia, cor, raça etc.), são aceitos por Jesus?

Você consegue enxergar que não importa o que os outros vejam sobre você, o importante é o que sente diante de Deus?

Você consegue enxergar que os discípulos se escandalizaram diante de Jesus está conversando com uma mulher “promíscua”, por ser samaritana e não conhecer a misericórdia de Deus?

Pois bem. Diante disso tudo, Jesus sentiu a necessidade de aproximar-se dessa mulher, divorciada, adultera, “infiel”, mas que sabia o que era adoração mesmo sem conhecer, mas adorava, pois, Jesus afirmou: ‘que eles não sabiam o que estavam adorando’. Mas estavam adorando.

O que importava para Jesus era aquela verdadeira adoradora. Aquela mulher sincera. Aquela mulher fiel no sentido mais que absoluto.

Jesus não recrimina-lhe, mas adverte-a a quem deveria adorar: “– Pois Eu, que estou falando com você, Sou o Messias”. (João 4.26).
Ela esperava o Cristo (verso 25), então, se deduz que ela era uma adoradora mesmo vivendo em pecado.

Mas alguém poderá alegar que ela se divorciava porque ainda não conhecia a pura verdade. Não podemos esquecer que ela tinha princípios exercido por descendências das tribos.

Não podemos esquecer que mesmo sobre o aspecto de separação, ou seja, em conformidade com o paganismo, valores ainda permeiam nas mentes.

Não podemos esquecer a psicologia é nova no sentido absoluto de função, mas no sentido amplo já existia, uma vez que Deus é o maior de todos os psicólogos, e foi Ele que impôs valores morais em toda a humanidade.

O que faltava nos discípulos era entender sobre a colheita resultante de um trabalho não para os santos, mas para o que eram considerados cães no sentido mais absoluto do termo.

Psicologicamente Jesus entra no fundo da mente humana ao tratar com aquela mulher e com os discípulos, e depois, com os seus amigos, parentes e vizinhos. Ele consegue de uma única maneira, e eficaz, aproximar os discípulos judeus, aos samaritanos, e convertê-los, no sentido de quem é o Messias que eles tanto aguardavam.

Você consegue enxergar uma mulher com fome? 

Você consegue enxergar os samaritanos se alimentando da palavra do Messias?

Pois bem. “Enquanto isso, os discípulos pediam a Jesus: - Mestre, coma alguma coisa! Jesus respondeu: - Eu tenho para comer uma comida que vocês não conhecem. Então os discípulos começaram a perguntar uns aos outros: - Será que alguém já trouxe comida para ele? – A minha comida – disse Jesus – é fazer a vontade daquele que me enviou e terminar o trabalho que ele me deu para fazer. Vocês, costumam dizer: ‘Daqui a quatro meses teremos colheita’. Mas olhem e vejam bem os campos: o que foi plantado já está maduro e pronto para colheita”. (João 4.31-35).

Você consegue enxergar que já existem pessoas que adoram a Deus mesmo sem o conhece-lo direito, e já estão maduros?

Você consegue enxergar que o que importa é a colheita e não os valores morais ao menos por enquanto, pois Jesus não resistiu a mulher divorciada e adultera?

E por fim, você consegue enxergar que Jesus (ou Deus) fala com os seus servos, sejam por sonhos, visões ou até pessoalmente como no caso da mulher samaritana?

Conclusão

O homem enxerga somente o exterior e muitas vezes não se dá o trabalho de ver além dos fatos. O diferente de Deus é que ele ver o coração e presencia nossas ações resultantes de fé. É o chamado fé em ação. As ações muitas vezes estão despercebidas para o senso do homem, entretanto, não para Deus que ver além disso tudo.

A mulher samaritana divorciada cinco vezes queria encontrar a felicidade plena. Seu envolvimento com um homem casado era resultado do que uma sociedade lhe impôs, que sem marido nenhuma sua trágica vida seria de angustia e provações.

Vem Jesus um homem também, confortar suas esperanças, sua grande esperança de conhecer ainda em vida o Cristo (Messias), que tanto havia sido pronunciado desde os tempos antigos por volta de 722 a.C.

Agora com sua presença e com que Ele mostra toda sua vida ela exclama: “Ele me disse tudo do que eu tenho feito”.

E você, vai continuar sem enxergar os adúlteros, divorciados, os de outros lugares etc., só por que se sente santo, pois está presente numa comunidade dita, igreja?

Pois bem. Tenho um recado para você: chegou a hora e já vem tarde, DE ENXERGAR. [G].
Um blog abaixo da média, mas desafiando a lógica.
http://igrejaremanescente-igrejaremanescente.blogspot.com.br/* Serão permitida reprodução total quanto parcial, onde poder ser incluídos textos, imagens e desenhos, para qualquer meio, para sistema gráficos, fotográficos, etc., sendo que, sua cópia não seja modificada nem tão pouca alterada sua forma de interpretação, dando fonte e autor do mesmo. P.Galhardo.