sexta-feira, 1 de março de 2013

Fim dos Tempos - Fé, Teólogos, Oração, Palavra de Deus e Espírito Santo



Gostaríamos de dizer que tantas coisas estão acontecendo e como vemos, os difíceis dias estão para chegar. Isso leva-nos para um evangelismo pleno vital e sincero para esses finais de dias. Mesmo com escassez de homens chegamos até aqui, e os resultados foram alcançados, porém, precisamos difundir por todo o mundo o restante que nos cabe evangelizar.
A obra como todos sabem, não está acabada. Mas ainda, o trabalho missionário exige de nós que façamos e nos coloca sobre grandes limites. Temos a exigência que algo novo deve ser feito e realizado. O futuro cabe a nós o sacrifício é nosso dever e que põe na Igreja grande responsabilidade. A invasão que transborda em nosso ser, à vontade e a resistência. Achamo-nos no momento final. A pergunta é: Como conseguiremos alcançar o máximo possível dos homens si não for através de uma força sobrenatural? A audácia deve ser nosso objetivo, pois é na inquietude de nosso ser, que possamos projetar o desenvolvimento das ações. Se não priorizarmos a confiança agora, e os ânimos certos não conseguirão elucidar as ameaças que nos cercam. Quando os discípulos estavam cercados pelo medo Jesus disse: “Coragem! Sou eu! Não tenham medo!” (Mateus 14.27). Esta mensagem é de força e coragem para a Igreja Remanescente vinda do Senhor Jesus.

Jamais podemos achar que estamos em melhor posição. Não podemos levar à palavra de Deus sem ela. O mundo nos observa o que estamos fazendo; a Igreja no fim dos tempos é chamada para a perfeição e santificação. Entendemos que essa santificação, é uma orientação de Deus, que envolve antes de tudo uma posição pessoal. Temos o dever de buscar a perfeição e a santificação. E qual sinal tem para apresentar a eles.  A razão da igreja é a instituição plena da fé. Sem ela, nos carece de total confiança em Deus.  No nosso íntimo precisamos extremamente dela, pois estamos em busca do Espírito Santo.  A fé é o alicerce, e “sem ela não podemos agradar a Deus”. A fé hoje em dia é atacada por todos os lados. O pensamento relativo, o ocultismo, o neoateísmo, e o evolucionismo, tenta a todo custo transformar nossa fé sem validade. Hoje o que nos é mostrado é um pensamento sem compromisso, uma crítica superficial, e filosofias modernas. Uma falsa convicção daquilo que, não sabe, e que nem querem saber. Estamos todos à mercê do historicismo sem causa, subjetivismo e neopositivismo. Um dos resultados dessas mesmas são as invencionices para evangelizar o homem dos nossos dias, com assuntos subversivos e manifestações estranhas de homens que dizem conhecer o que está por trás da fé. A palavra do homem não é a palavra de Deus. A razão do homem está longe de ser à razão de Deus.
Temos que ter uma grande estima a uma equipe de homens teólogos, que são: generosos, bons e valorosos; sem eles, não podemos exercer nossas atividades, conquanto sejam homens instruídos e podem como corajosos e valentes que são: Instruir o povo tanto religiosamente como culturalmente. O Espírito Santo segue os seguidores da verdade e aqueles que ensinam aos discípulos a interagirem o conhecimento com outros. Jesus diz a Pedro, um simples pescador quando faltar-lhe o que mais precisava no momento oportuno, fé. “Mas, eu tenho orado por você, Simão, para que não lhe falte fé”. (Lucas 22.32).  Não pense que, por está numa posição elevada e talvez de melhor responsabilidade, não lhes possa faltar exortações. A igreja precisa de vocês, como o navio precisa da bússola; e o povo de Deus necessita de terem mais conhecimentos sobre as verdades, que por formidável maneira Deus instituiu a todos vocês.

A necessidade nasce a cada momento e essa deve ser entendida a luz da oração e da Bíblia. Como princípio, temos tantos critérios espirituais para paralelos benefícios, uns para os teólogos e outros para os amigos irmãos: “Assim nós poderemos continuar usando todo o nosso tempo na oração e no trabalho de anunciar a palavra de Deus”. (Atos 6.4). Para isso, a iluminação nos chega à beleza do profundo conhecimento dAquele que não erra. É em Deus que alcançamos É na oração que resolvemos as questões relevantes e em harmonia ao Criador que possamos conseguir o que queremos; desde que, façamos o exercício direto de falar com Deus. Para alcançarmos nossos objetivos; embora, possamos não alcançá-los por Deus saber o melhor para nós.
Tudo sem amor não vale nada. É o amor que nos direciona para a compreensão das necessidades que as almas precisam. Muitos não só precisam das palavras, pois, necessitam de uma orientação para viverem melhor, num mundo cheio de mentiras, falácias, sofrimentos e angústias. A ajuda é nossa mão auxiliadora. O amor a Deus é o amor ao próximo.
Conclusão: Cabe a todos estarmos imbuídos em oração para podermos adquirir forças e nos ser derramado o Espírito Santo; para juntos todos nós fazermos à obra que nos foi confiada. Essa, sem o Espírito Santo não é uma obra que transforme à alma. Com Ele, nossos resultados e esforços serão nos dito: Essa é à Igreja Verdadeira! Igreja Remanescente à Igreja de Deus. Amém! (G).