terça-feira, 11 de março de 2014

A disposição de Jonas – Fugir!


Como é importante estarmos disposto e para fazer algo, contudo nem sempre isso acontece.

Se eu disser: - vai haver um jogo aonde nosso time vai jogar. Tenho quase certeza que nenhum de nós deixaria de irmos ao campo, pois para um fanático por esporte e seu time, jamais poderia supostamente admitir não está presente nesse evento de tamanha importância, considerando que é um torcedor fiel de carteirinha.

Nas Escrituras Sagradas (Bíblia), são-nos revelado que existiu um homem que teve também uma grande disposição, entretanto, essa era para fugir da presença do Senhor.

Vamos ver o que apresenta em Jonas 1, diz: “Certo dia, o Senhor Deus disse a Jonas, filho de Amitai – dispõe-te e vai a grande cidade de Nínive e grite (clame) contra ela, porque a maldade daquela gente chegou aos meus ouvidos”.

Jonas se aprontou, mas para fugir da presença do Senhor. Pois é amigo, não é isso que fazemos hoje? Fugimos da presença de Deus!

Mas, por que será que Jonas não queria ir a Nínive? Jonas sabia que Nínive era uma cidade pecadora, maldosa e capital da Assíria.

E o seu próprio nome, Jonas significava “pomba” que era naquela época uma referência a sua personalidade, talvez manso ou calmo, como uma pomba.

Duvido muito que Jonas queria deixar sua tranquilidade para estar no meio daquele povo maldito e rebelde.

Era o tempo do rei Jeroboão II, rei de Israel, tempo do qual Jonas estava.

E o que aconteceu nesse período, vamos ver? Leiamos: “- Povo de Judá pecou contra o Senhor e deu mais motivos para ele ficar irado do que todos os seus antepassados haviam dado”. (2 Reis 14.22).

Jonas sabia o que estava acontecendo e tinha medo e achou por bem fugir.

Disposição para enfrentarmos o mal, não só faltou para Jonas, mas para nós também.

Estamos sempre dispostos para fugirmos da presença do Senhor, quando este nos pede uma coisa que parece um absurdo.

Se eu convidar-se você para irmos para uma festa, ah, não tenho dúvida que você si disponha logo ao convite ser um dos primeiros a querer ir.

Entretanto, no caso de Jonas não era uma festa, era um pregação que deveria leva-la ao povo cruel, arrogante e rebelde. Veja que Jonas ele tomou rumo na direção oposta, a de Társis – Seria uma mera coincidência?

Jonas partiu em direção contrária isto é, para o Oeste, Nínive ficava a nordeste de Israel.

Társis era o lugar mais distante na direção oposta de Nínive. Viajar para longe do Senhor naquele tempo, muitos pensavam que os deuses estavam presos a específico lugar ou um país.

Veja: “... Pois me expulsaram da terra do Senhor Deus para uma terra onde posso adorar somente deuses estranhos”. (I Samuel 26.19).

“... eu não vou oferecer sacrifício e ofertas que são completamente queimadas a nenhum deus, a não ser Deus, o Senhor”. (2 Reis 5.17).

Então, podemos perceber que eles acreditavam que havia deuses nessas regiões e não distanciariam desses lugares.

Portanto, Jonas estava realmente disposto para fugir da presença do Senhor, uma vez que acreditava que o Deus permaneceria naquela região.

Também fazemos hoje quase o mesmo, estamos sempre dispostos para fugir de Deus.

- Disposição é que nos falta para servimos!

Jonas acreditava que saindo da presença da divindade, e indo ao caminho contrário não mais seria visto e muito menos exigido dele que fosse até a Nínive.

No entanto os Israelitas sabiam que com o Senhor não era bem assim. O próprio Jonas entendia que foi Ele que fez tudo, o Céu, o mar e a Terra, tanto é verdade que confessa isso no verso 9 do capítulo 1.

Ademais, pensou: “por que não fugir, pois a tradição pode está certa e nós errados?”.

É comum nós pensarmos mais ou menos assim: será verdade que Deus quer que eu faça isso? E mesmo ouvindo sua voz, Jonas se dispôs a fugir de Deus.

E entrou num navio como já conhecemos e foi em direção a Társis. Porém, fica a pergunta: Por que Társis, não poderia ser outra cidade?

Pois bem, Jonas sabia que em Társis havia ouro, prata, marfim e macacos e micos. Quer uma prova? Leia I Reis 10.22.

Társis também tinha uma frota de navios que foram construídas pelo Rei Salomão (Isaías 9.26).

Társis, uma cidade de tempos bíblicos do Antigo Testamento considerada até hoje como sendo um lugar de incerta localização.

Entretanto, alguns acreditam que ela faz aparte hoje do Líbano.

Contudo, muitos têm certeza que ela era situada na região da Espanha.

A Bíblia Sagrada dá margem para acreditar que ela seria na Espanha.


Veja: “Salomão tinha uma frota de navios que viajava até a Espanha junto com a frota de rei Hirão, cada três anos a sua frota voltava trazendo ouro, prata, marfim, macacos e micos.” (2 Crônicas 9.22).

Portanto, Jonas queria na verdade está muito bem, afinal não faltava prosperidade nesta cidade.

Ademais, não queria tá num meio de pessoas perversas e cruéis.

A história de Jonas ressalta a importância quando Deus chama para um fim proveitoso, não adianta querer fugir Dele, pois Ele não deixa.

Não é ai uma questão de livre escolha, ou livre arbítrio, mas de salvação.

Vemos que no capítulo 3, o Senhor chamando-o mais uma vez, e mesmo depois de ter sido jogado no mar e engolido por um grande peixe, tendo ficado na sua barriga três dias e três noites. (Jonas 1.15 e 17).

Orou e foi atendido, porque sempre Deus atende um coração sincero em aflição. (Capítulo 2).

Disse-lhe o Senhor: “Dispõe-te e vai a Nínive", dessa vez Jonas si dispôs, mas não para fugir da presença do Senhor. (Jonas 3.1).

Disposição é que nos falta! Estamos sempre dispostos para qualquer outra coisa, menos quando se trata de enfrentarmos o perigo, uma vez que estamos bem, confortável e acomodados com nossa situação de bem estar.

Jonas levantou foi e pregou com voz de trombeta, dizendo que após quarenta dias e Nínive seria destruída. (leia Jonas 3.4).

O que talvez ele não esperar-se aconteceu: “O rei de Nínive dispõe-se e tirou às suas vestes reais, e vestiu-se de pano de saco e sentou-se em cinzas.” Ainda mais ordenou: “Esta é uma ordem do rei e dos seus ministros. Ninguém pode comer nada. Todas as pessoas e também os animais, o gado e as ovelhas estão proibidos de comer e beber. Que todas as pessoas e animais vistam roupas feitas de pano grosseiro! Que todas as pessoas orem a Deus com fervor e abandone os seus maus caminhos e as suas maldades! Talvez assim Deus mude de ideia. Talvez o seu furor passe, e assim não morreremos.” (Jonas 3.8 e 9).

Jonas estava disposto a ouvir tudo, menos que sua profecia de destruição não seria confirmada, porque a multidão não merecia, visto serem pecadoras.

Não é isso que acontece hoje, onde acreditamos e disposto que “morram” aqueles que não acreditam na nossa mensagem, mesmo que para isso tenhamos que pisarmos neles?

Não admitimos que nossa mensagem possa está errada (no sentido de mudança), porque está escrito, e na nossa compreensão finita, achamos quase impossível uma cidade cruel e perversa sofrer mudanças.

Visto supostamente não acreditarmos que pessoas mudem de ideias, temos a soberba de acharmos que estamos em melhor situação que eles, pois nossas profecias estão certas Esquecemos que não são as profecias que nos salva, são elas que nos mostram o que irá acontecer, mas a salvação pertence unicamente em Jesus Cristo. Não é porque sabemos que iremos sermos salvos, não, é quando transformados pela mudança de atitude, coração e mente.

Foi isso que pensou Jonas: [“Esses malditos, devem morrer!”], sua angústia foi tão grande por saber que não iria ser confirmada sua profecia destruidora que preferiu morrer. Ele disse: “– Para mim é melhor morrer que viver.” (Jonas 4.8 última parte).

Que lição podemos amigos aprender ai? Que nem sempre a nossa profecia é realizada como queremos, pois, Deus trabalha com diversos meios, ou seja, profecia condicional. Por exemplo: Um governante pode ser eleito este ano como governador do seu estado, porém, relaxa sua atuação diante do povo, onde não cumpre os propósitos que a sociedade almeja que seja feita, na área da Educação, Segurança, Saúde, Transportes e Trabalhos, mesmo Deus tendo dito que ele seria o governante desse estado, vendo sua falta de disposição, tira-o do poder.

Não foi isso que fez Deus com o rei Nabucodonosor, quando ele passou a comer a erva do campo e seus cabelos cresceram como as penas da águia?

 Assim disse o Profeta Daniel: “– Ó rei, a grande árvore que vistes és tu, que cresceste... o senhor será expulso do meio dos seres humanos e ficará morando com os animais selvagens. O senhor comerá capim como os bois, dormirá ao ar livre e ficará molhado pelo sereno. Isso durará sete anos, até que o senhor reconheça que o Deus altíssimo domina todos os reinos do mundo e coloca como rei o homem que ele quer.” (Daniel 4.24 e 25).

Nossa atenção agora é voltada para Jonas. Deus perguntou-lhe: “Por que você estaria com raiva que não havia feito nada no mundo?” Jonas não havia entendido que a disposição de Deus era salvar toda aquela gente, quanto, animais. (Mais ou menos 120 mil pessoas, fora os animais e outras coisas).

Assim sendo, podemos acreditar que nem sempre nossa disposição é a mesma disposição de Deus, e que Ele está sempre disposto a ouvir uma oração e um coração sincero. Amém! [G].




http://igrejaremanescente-igrejaremanescente.blogspot.com.br/ * Serão permitida reprodução total quanto parcial, onde poder ser incluídos textos, imagens e desenhos, para qualquer meio, para sistema gráficos, fotográficos, etc., sendo que, sua cópia não seja modificada nem tão pouca alterada sua forma de interpretação, dando fonte e autor do mesmo. P.Galhardo.