quinta-feira, 26 de novembro de 2015

A apologia do dízimo


Nesta vida para sobreviver tem que ser experto e influenciar sua maneira ser. Então inventam meios para se ganhar.

Todo mundo prega: “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. João 8.32. Então se conhece e não querem se libertar! Por quê? Ora, quem quer deixar o luxo? Veja bem, se eu estou ganhando daqueles que arrecadam dos outros (féis), então por que eu seria do contra? Isso envolve até os que trabalham nas TVs. Só que não há base bíblica para isso!

O cara alega que vc vai ter o céu se der, e, portanto, o coitado acredita como se Deus precisar-se de uma comprovação da sua fé mediante o dinheiro que jamais ele irá por a mão, pois o reino de Deus não é o reino terrestre, daí segue uma contradição em quase todas as denominações. Porque meu reino não é deste mundo. Eu sei que o Apóstolo Paulo disse para quem viver-se do evangelho comer-se do mesmo. Mas, isso não nos dá o direito de arrecadar mais que mereçamos.

Claro que se vc é mestre ou doutor e que estudou e formou-se para tal coisa, isso lhe consiste em receber mais, mas não do dízimo. O que vc pode receber é segundo seu trabalho porque vc teve resultados quanto aos estudos. E sendo pagos pela empresa, mas não pela arrecadação dos féis.

Não há na Bíblia nenhuma sustentação quanto ao dízimo ser em dinheiro. Isso é coisa inventada pelos homens a fim de permear seus supostos luxos. O dízimo que Jesus expor foi da hortelã e cominho, ou seja, de alimentos (Mateus 23:23) - jamais de dinheiro. O que era recolhido na igreja (templo)  - era a oferta.

“Fala aos filhos de Israel, que me tragam uma oferta alçada; de todo o homem cujo coração se mover voluntariamente, dele tomareis a minha oferta alçada”. Êxodo 25:2;
E essa oferta alçada era para fazer o tabernáculo. Ouro, prata e pedras preciosas, enquanto faziam: depois Deus mandou parar de trazer.
“Esta é a lei do holocausto, da oferta de alimentos, e da expiação do pecado, e da expiação da culpa, e da oferta das consagrações, e do sacrifício pacífico”. Levítico 7:37.
Quanto ao plano cerimonial, ou seja, no tabernáculo, os levitas trabalhavam em função da tenda, pois assim Deus determinou, porém, não existem levitas literais hoje porque essa tribo se desfez quando Jesus Cristo morreu na cruz o véu rasgou-se de cima abaixo. Então todas as cerimonias acabaram-se junto com suas realizações uma vez que o cordeiro que eles lá estavam santificando-o jaz com eles.
Se vc quiser acreditar acredite, se não, o problema é somente seu, pois Levitas são literais e não simbólicos como muitos querem alegar - eu só quero ver o que irão dizer para Jesus Cristo quando perguntado, onde estão os levitas para que tragam para eles alimentos?
Quando Deus alega que farei a sabedoria dos homens tornar-se louca. Não estava brincando. E quando o apóstolo Paulo apresenta para ninguém se gloriar, é também porque o Espírito Santo sabia que todos têm onde humilhar-se.
Não dá para dizer: devolvo o dízimo e estou salvo, pois a salvação não depende de obras para que ninguém se glorie.
"Não há quem faça o bem, não há nenhum sequer! “Olha amigos, eu não tenho medo de dizer que se não reconhecermos que estamos errados, não nos salvaremos. A salvação será dada para aqueles que sentem a necessidade de melhorar, mas não aqueles que se acham supostamente perfeitos. Erramos e devemos reconhecer nossos erros para podermos ser salvos. O arrependimento é uma maneira de conhecimento que algo está errado em nós, pois se não, não precisaríamos de arrependimento e muitos menos de salvador. Ora, só se precisa de resgate aquele que deve.
No tabernáculo todos os dias, os fieis eram levados ao arrependimento, pois tinha que oferecer o sacrifício para poderem ser salvos dos pecados. Quando Jesus Cristo morreu e ressuscitou perdoou nosso pecado. Então, não precisamos dar nada para recebermos, pois o cordeiro existe no nosso meio quando ressurgiu. Diante disso, temos que ir a ele. O que fazem por ai é um erro gravíssimo - dar para ter benefícios. Ora, e onde fica Jesus como cordeiro? Tá errado o conceito de arrecadação para se beneficiar uma vez que o contexto bíblico fala de outra coisa diante das pragas que veriam para aqueles que estavam roubando o tabernáculo antigo não atual.

Concluindo: "eu quero continuar dando ou como dizem, devolvendo a Deus!", então continue, o benefício é para eles, pois Deus tá longe disso! Por que digo isso com tanta convicção? Ora, é muito fácil responder com uma pergunta: por que será que Ele não determinou isso na igreja dizendo: "Trareis 10% de dinheiro!" Havia dinheiro nesta época? Claro que sim! Em levítico se não estou enganado quanto ao livro diz que se a pessoa morar-se longe e não pudesse trazer que comprar-se o alimento e comer-se, e que eu saiba ninguém come dinheiro, ou estou enganado? O contrário foi: "trazei todos os dízimos a casa do tesouro para que se encham teus celeiros (mantimentos, original) Malaquias 3.10."! No verso 11 dá um vislumbre que se tratava de frutos da terra, pois alega que iria repreender o devorador que poderia aparecer no campo. Então, não podia ser dinheiro. De dinheiro? Não, de alimentos, porque o contexto em levítico diz ser assim. E muitos pensam que Deus estava referindo-se ao povo a fim de trazer para aqueles futuros, mas o contexto não passa do passado.

Não precisa ser muito inteligente para perceber que o dízimo como é apresentado atualmente não se sustenta a luz da Bíblia Sagrada.

Aqui não estou desrespeitando aqueles que querem supostamente ser fieis a Deus, pois sentem essa necessidade uma vez que nas suas mentes permeiam medo caso não colaborem com a suposta necessidade de Deus para proclamar o evangelho.


Deus te perdoa irmão pela sua ignorância escriturística, a menos que não queira seu perdão. [G].
Um blog abaixo da média, mas além dos fatos.
http://igrejaremanescente-igrejaremanescente.blogspot.com.br/* Serão permitida reprodução total quanto parcial, onde poder ser incluídos textos, imagens e desenhos, para qualquer meio, para sistema gráficos, fotográficos, etc., sendo que, sua cópia não seja modificada nem tão pouca alterada sua forma de interpretação, dando fonte e autor do mesmo. P.Galhardo.