domingo, 20 de outubro de 2013

Os Pecados da Igreja Católica: Símbolos, Pedofilia e Abusos Sexuais



Muitos já ouviram falar de forças ocultas e até mesmo do ocultismo como práticas satânicas:
As hierarquias das secretas Sociedades foram profundamente envolvidas no Black-Oculta, uma vez que já existiam. Isso inclui o sacrifício ritual de crianças e bebês. Este conhecimento tem sido mantido nas mentes da sociedade em geral, até mais recentemente. Agora é só uma questão de tempo, quando as massas do povo tornar-se plenamente consciente da verdadeira agenda por trás das sociedades secretas e do verdadeiro propósito de porque eles existem.
O principal mentor dessas obscuridades presidia um dos grupos satânicos que pode está ligado hoje diretamente com a igreja Católica:
Um dos maiores satanistas é, Aleister Crowley - Iniciada com os mais altos níveis da Maçonaria e sumo sacerdote da Golden Dawn, disse: "Um branco criança do sexo masculino de perfeita inocência e inteligência faz com que a vítima mais adequada.”.

     Aleister Crowlev - Líder Satânico da Igreja de Satanás 

O mais preocupante agora é saber que existe uma religião que também está envolvida com esse tipo de satanismo. E essa que se diz supostamente ser Há religião de Cristo, também está

 envolvida em puro satanismo. Veja: 
    Simbolo Iluminati em cima do púlpito
O que podemos pensar duma instituição que tem nos seus murais, símbolos ocultos? São muito preocupantes principalmente para aqueles que estão servindo essa instituição, sem saberem na verdade o que está acontecendo; e isso sem contar os casos de pedofilias que todos já conhecem como os pecados abomináveis da igreja Católica.
Como às pessoas veem esses pecados e continuam a servir, sem dá conta que poderão também ser julgados por supostamente participarem?
E que Em os EUA a cada ano, 400 mil crianças estão desaparecidas. No Reino Unido, 98 mil crianças estão desaparecidas.

São muitos os casos de pedofilias na igreja Católica que o acervo na internet chega há ser assustador: a agência Folha de S. Paulo e agora São Paulo; a veja que é uma revista semanal também publicou vários textos relacionados aos assuntos desde 1996; e a própria Globo com seus jornais; como também a revista Época, rádio CBN e Globo, Noticiaram. Um dos assuntos mais debatidos foi quando o Jornalista Roberto Cabrini do SBT nos trouxe um caso escandaloso de um padre e um coroinha.

Outra estratégia adotada para colher informações sobre mais casos ocorridos no país, consistiu em enviar mensagens por correio eletrônico a 90 ONGs atuantes em todo o território nacional no campo de direitos das mulheres e das crianças, informando os objetivos da pesquisa e solicitando informações sobre casos de violência cometida por religiosos que fossem de seu conhecimento.

Portanto, fica mais que evidente os pecados admitidos dessa instituição quanto aos casos, são segundo matéria de 2002, o então presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), dizia:

 No Brasil o país precisa ter clareza de seus valores éticos e evangélicos. Esse sensualismo exacerbado acaba atingindo a Igreja, mas ainda não temos um conjunto de medidas para tomar, uma sequência de atos (...)”.

Segundo essa autoridade Eclesiástica, o que ocorre nesse campo está ser proveniente por causa de “um reflexo da atual sociedade”. Como se todas as tentações que todos os dias nos assolam poderíamos alegar ser por causa das pessoas. Isso é um absurdo de ser aceito! Podemos até admitir e aceitar que o meio envolve o ser humano. Porém, o meio não pode justificar nossos atos impensados, e por vezes, até mesmo pensados.
Um dos autores Rodriguez (2002) alega que assuntos do CDC (Código de Direito Canônico), diz que as hierarquias da Igreja Católica mantenham-se em silêncio quantos assuntos e que possa até encobrir os pecados, visando impedir escândalos. 

Esquecendo-se que essa situação já os levou para as mídias e agora fica difícil esconder. E também que muitos desses “impedir escândalos” estão mencionados centenas de vezes no Código Canônicas como normas (Sipe, 2004, pág. 23).

Pois bem, fica mais claro que o Código de Direito Canônico são contra a legislação civil vigente. Ou seja, leis civis. Se tratando dessa questão de abusos sexuais dentro da Igreja Católica, o direito canônico segundo Hans-Jurgen Guth (2004, p.113-25) afirma que, em várias situações nos (Estados Unidos, Alemanha, Canadá, Irlanda, Inglaterra, País de Gales, Escócia, Áustria e Suíça) todas as autoridades eclesiásticas não somente tomaram medidas canônicas, mas também tomaram medidas complementares, para reconquistar a confiança perdida face aos números de escândalos denunciados.

 O problema a meu ver não está somente em corrigir e até punir; mas ter dentro das igrejas católicas esses casos que jamais poderia haver por serem ministros do evangelho, conquanto forem escolhidos pelos próprios líderes eclesiásticos, e também que estivessem envolvidos em tais atos pecaminosos e libidinosos.

Numa certa ocasião só há titulo de informação: numa paroquia que havia uma freira que abandonara a ordem, que se destacou por denunciar quanto alguns abusos que ocorria, e que mesmo levando o caso aos superiores não obteve resultado desejado – e que ainda ficou perplexa quando ouviu: - [do bispo que conversava:] ‘para a Igreja, você é o problema, não o padre. Pelo seguinte: até se admite que ele tenha problema com as mulheres, mas isso não é problema. O problema é uma leiga que está denunciando a Igreja, esse é o problema. A determinação de dom [outro bispo] é que você seja expulsa da Pastoral’. Eu disse: ‘ Pois então efetivem a minha expulsão, me demitam... ’ Eu tinha carteira assinada...  (Entr. 9).

Conclusão

Mesmo com toda essa política de dizer que pune os atos promíscuos que ocorrem dentro da Igreja Católica Romana, fica mais que claro que essa não pode ser a igreja de Deus. Pois, suas ações não condizem com que as escrituras nos apresentam; e no mais que, ainda ocorreram mudanças em quase todos os campos de ensinos dentro dessa instituição. Todos esses relatos apresentados são verdadeiros, e mesmo incomodando certos clérigos, não podemos deixa-los de mostra-los, haja vista nossa intenção é proteger há outras pessoas quanto às crianças para que não sejam presas fáceis desses monstros da sociedade.
Fonte: Artigos, Sites e Desvendando a Política do Silencio