sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

O Orgulho Supera a Vontade do Evolucionista



Deus criou o homem e o fez para tomar decisões, por ter eles livre arbítrio. Conhecemos muito bem isso, pois, todos os dias tomamos atitudes que nos fazem prosseguir, mesmo que não avancemos.

O homem ele mesmo tem uma culpa interior proveniente de más escolhas que fazemos, muitas delas são, a corrupção no fracasso causado pelas ações erradas.

E ai, como de costume, colocamos nossas inquietações e direções nAquele que não tem culpa entre nosso problema em não querer aceitar o normal.

Porém, precisamos ser honesto conosco mesmo. O exercício no intrínseco das decisões da livre escolha é que nos faz nosso próprio fracasso.

Não queremos acreditar e por isso, fazemos investigações, mesmo percebendo o que muitas vezes estão ao nosso redor. Temos vistos com nossos próprios olhos a diferença do pulmão e guelras, entretanto queremos nos alimentar da ficção do imaginário da nossa pobreza racional.

Nossa vontade quase sempre está na diferença do concreto para o abstrato, porque somos pensantes e achamos que conhecemos tudo.

Direcionamos na nossa consciência e até no subconsciente, o querer destruir o que presenciamos como verdade, porque achamos que não seja verdadeiro o já conhecido.

Perguntamos: tem como não acatar a vida e a morte como não sendo uma verdade absoluta? Sua mente o levaria a imaginar que a vida surge do nada, contudo sua morte o tornaria nada, já que viemos do nada do nada voltaremos? E como fica a evolução já que, a vida passou há existir do nada?

É uma verdade o amor ao eu para não querer entender o Criador, porque não lhe impôs uma ditadura, mas sua liberdade de opção.

Estaria o homem preso a vontade de Deus? Não é ele mesmo que compra sua passagem para uma viagem de laser? Não é sua vontade trabalhar no serviço que almeja? Admitimos e concordamos que Deus permite, mas ele dificilmente interpõe nas decisões humanas, visto permitir sua deturpação sexual como exemplo.

Todavia, quando ver que os rumos estão muito aquém do bem, interfere, mas não para prejudicar e sim a fim de ajudar o homem no melhor da vida.

O problema é o seguinte: perdeu-se a vergonha e aceitou-se o inaceitável como regra que antes não existiu. No passado ninguém ainda havia pensado que o homem pudesse ter surgido de um ser ancestral irracional, e muito menos do inanimado, embora souberem que segundo a Bíblia, o homem viera do barro, onde havia uma união do sopro de Deus donde deu-lhe vida, não cogitavam em hipótese nenhum este absurdo.

Passados anos como de praxe, o homem se corrompe e eleva-se nos seus desejos animalescos, quer seja, promiscuidade, ou quer sejam vontades inapropriadas. Numa semente a vemos desenvolver-se, crescer e forma uma linda planta, onde produz uma flor que geralmente passa há fornecer um excelente fruto prazeroso no sabor.

No homem quase sempre e sempre é o contrário: ele nasce, cresce e se desenvolve e passa há pensar por si próprio, elevando-se nos seus controversos pérfidos prazeres.

Em vez de produzir frutos gostosos, não conseguem, por está com uma mente cauterizada, adoto ter conscientemente pervertido suas atitudes no aéreo.

- Eu nunca vi um homem correndo assimilar bem matemática, porque sua razão em racionar precisa de lentidão e calma.

Muitas das pesquisas da ciência quantas outras feitas no passado e hoje, levam-se anos para concretizar-se, e muitas delas não se produzem o suficiente para aceita-las como resultados reais e concretos ao objetivo proposto.

E como sabemos e temos que admitir, não foi provado de maneira nenhuma a macro evolução ser real. Portanto, ela pode ser descartada como alguns experimentos maus sucedidos são. 

O que acontece é o seguinte: o orgulho supera a vontade, mesmo que se queria negar, por causa também dos outros supostos cientistas, não nega. A negação o faria contrário há aqueles que passaram quase uma vida inteira tentando investigar há melhor maneira de mentir.

Uma vez na corporação fica mais fácil enganar, por ter com quem contar - Isso é comum em quase todos os campos! Se nós temos uma renda boa e não queremos perde-la, seriamos o paradoxo? Claro que não, a menos que não tenhamos conforto empresarial.

São as boas rendas que não nos fazem sermos verdadeiros; são as influências constantes que sofremos por todos os lados que não nos fazem promissores verdadeiros homens.

Nossos caprichos próprios faz-nos andar como verdadeiros zumbis, mesmo enxergando. Mas, como poderíamos avistar sendo mortos? Não se precisa ter fé para ver, basta abrir os olhos para descobrir.

O homem quer descobrir sua existência, e vive há procura-la num campo onde Darwin marcou com que conheceu numa ilha, contudo, não deixou de fazer um paralelo entre a existência humana e o pó (areia) desenvolvendo-se para uma bactéria, que evoluiu para um animal.

Ao misturar o que conhecia biblicamente e o que queria conhecer do fantasioso da imaginação, supostamente desenvolveu a evolução.

Mas, não se sentia seguro, pois havia-lhe angústias presentes na alma, uma vez que sempre era combatido por aqueles que não aceitavam tal filosofia supostamente cientifica. 

O homem não querendo crer em Deus, porque este não si faz experimental, passa a usar seu fantasmagórico controverso raciocínio, entre o observável nas coisas presentes, ao refúgio do abstrato.

Anela querer crer em algo, contudo, precisa no seu coração ver para se admitir. Mas, não admiti os buracos negros? E mesmo admitindo-os não os veem por dentro. Não sabem o que se passa além daquilo escuro, sua segurança quer ficar de fora do desconhecido neste caso. Por não ter conhecimento pleno do assunto, tentam um escape para entrar. Assim é na vida humana, querem achar uma maneira onde possa supostamente entrar no escuro, contudo, já lhes são mostradas nos fatos presentes.

Não há saída para o ateu, e muito menos para o evolucionista, uma vez que presenciam as ondas dos mares, as nuvens, quanto suas cores, são provas da existência da criação.

- Nem louco eu afirmaria que vi ou ouvi as ondas e as nuvens exprimirem seus sentimentos e emoções – acredito ninguém aceitaria tamanho absurdo! Já o evolucionista quer que nós aceitemos termos vindo do inerte e irracional? Ficaria uma vida inteira e não veria a areia ou barro, macaco, ou outro ser distinto animal, desenvolver-se a forma humana, porque isso não existiu e não existe.

Conclusão

Uma justiça segue o homem onde ele quer que vá, essa não admite que ele engane, por mais que tente quando descobertas são reveladas a luz da doutrina da lei que opera. É regra imposta pela própria natureza, seja essa humana ou não.

A situação que estamos não nos leva a crer nos seus feitos. Corridos esses acontecimentos que nos permeiam no mundo cruel e tenebroso, fragmentados pela corrupção e falsidade, onde seus anseios estão no desejo de provar o falsificado trabalho.

Os vermes que querem provar que se desenvolveram, são estes mesmos que comerão suas carnes quando apodrecidas nas tumbas dos sepulcros, porque são estes homens que visam seus cruéis ensejos avarentos e miseráveis.

Quem não sabe que para esses estudos evolucionistas, exigem-se investimentos monetários? 

Não estamos aqui duvidando dos cientistas sérios e homens que se dedicam no estudo com um fim de melhorar a nossa existência no mundo, como também a cura de vários tipos de doenças. Não, não estamos comentando destes, mas daqueles que dentro da sua mutável e corruptível compreensão, fazem-se mentirosos e erroneamente ensinam há devorar os enganos da evolução.  Sua obstinação está fazer-se aplaudidos por aqueles que no seu amago não admite a existência de um criador que formou tudo e o que há no mundo.

Portanto, tentam há todo custo juntos com outros, perseguir de forma arrasadora aqueles que querem aceitar a criação de Deus, ser feitas por Ele mesmo.

Para aqueles que acreditam numa vitória sobre estes, comecem no observar de maneira mais percebida o que está ao seu lado, e verá que o que dizem, não passa de meros embustes.

E aqueles que negam e aceitam a evolução, são culpados como estes, pois, batem palmas para os seus feitos que não são realizados realmente concretamente.

Assim diz o Senhor: “Pesado fostes e achado em falta”. Visto, ter bebido de coisas sagradas com intuito também de comer e saborear suas refeições impuras. Recusemos tal evolução, onde o melhor para se evoluir, seria em aceitar que Deus é o Criador. [Galhardo].