terça-feira, 1 de julho de 2014

A BÍBLIA, A PALMADA E A LEI MENINO BERNARDO


Para especialistas, o texto não traz avanços significativos aos regramentos já previstos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), mas busca conscientizar que não é preciso utilizar da violência física para educar. A antiga Lei da Palmada, rebatizada na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de Vereadores, estabelece o conceito de castigo físico como qualquer ação disciplinar ou punitiva com o uso da força e que resulte em sofrimento ou lesão, e o significado de tratamento cruel como conduta humilhante ou que ridicularize a criança. Então, pais passam a estar vedados até mesmo de um tapa em caso de desobediência, por exemplo?
Conforme a juíza da Infância e da Juventude Vera Lúcia Deboni, conforme a nova lei, sim. Porém, o limite de cada ato precisa ser avaliado caso a caso.
— É uma lei muito mais simbólica. Não traz nenhuma alteração significativa naquilo que o estatuto já previa. O que há é uma tentativa de instalar uma cultura nova no Brasil, onde também se perceba, assim como em outros países do mundo, que a violência física não é construtiva na educação — aponta a magistrada. Fonte:"Lei da Palmada"
Nota: Se a "Lei da Palmada", não trás muita coisa diferente das leis em proteção da criança, por que então foram feitas? A Bíblia nos orienta como devemos educar nossos filhos: "O que não faz uso da vara odeia seu filho, mas o que o ama, desde cedo o castiga". Provérbios 13:24.
Ela mesma orienta que não devemos castiga-los demais: Castiga o teu filho enquanto há esperança, mas não deixes que o teu ânimo se exalte até o matar. Provérbios 19:18 .  O Castigo não é a ponto de deixá-lo em estado degradante ou até morto, não, é para fazê-lo perceber que existem normas há serem cumpridas. [G].
           Veja o vídeo


http://igrejaremanescente-igrejaremanescente.blogspot.com.br/*Serão permitida reprodução total quanto parcial, onde poder ser incluídos textos, imagens e desenhos, para qualquer meio, para sistema gráficos, fotográficos, etc., sendo que, sua cópia não seja modificada nem tão pouca alterada sua forma de interpretação, dando fonte e autor do mesmo. P.Galhardo.