segunda-feira, 10 de novembro de 2014

O Divórcio de Abraão



#Divórcio - Observação: Não estou defendendo em hipótese nenhuma o divórcio uma vez que Deus condena.

Por outro lado, não podemos deixar de revelar aquilo que nos são apresentadas como verdades, e, portanto, digno de consideração, pois nos fazemos seguidores do que as Santas Escrituras nos dizem, e clamam com realidade de fatos.

Fazemo-nos grandes quando aceitamos uma verdade que nos mostra que existem erros, mesmos para aqueles que se consideram quase perfeitos.

Uns desses grandes homens veem Abraão, homem considerado por Deus, digno e pai de uma geração, homem de fé, homem que não negou seu filho, e carente, mas perseverante na graça de Deus.

Sim esse homem que eu gostaria de relatar hoje, um homem que mesmo sendo como era, de fato, cometeu um grande erro, mas nesse, fez-se um divorcio considerado até por Sara, como sendo o melhor para ele.

Contudo, não era necessário isso, mas separou-se em dado momento para unir-se com uma mulher, e dela, ter um filho.

Este da qual trouxe um geração de homens considerados descendentes de Abraão, porém, não da promessa.

Claro, sim, muito claro, este homem chamado de Ismael. Um ato impensado, mas de um homem de fé.

Por que será que Abraão atendeu ao pedido de Sara? Muitos irão dizer, ele queria uma descendência. Sim, claro! Mas não sabia ele que era pecado? Sabia, entretanto era costume o homem e permitido ter várias mulheres.

O que muitos ainda não consideram é que, Deus não abominava o homem que tivesse mais de uma mulher, mas que adulterar-se com outra que pertencia ao seu próximo.

“Também o homem que adulterar com a mulher de outro, havendo adulterado com a mulher do seu próximo, certamente morrerá o adúltero e a adúltera.” Levítico 20:10.

Então, não é uma questão de admitir uma separação, Deus não condenou Abraão porque ele havia dormido com Hagar, não, não é nada disso, Deus havia feito um plano com ele e deveria, portanto, ser cumprido.

E apareceu-lhe o Senhor naquela mesma noite, e disse: Eu sou o Deus de Abraão teu pai; não temas, porque eu sou contigo, e abençoar-te-ei, e multiplicarei a tua descendência por amor de Abraão meu servo. Gênesis 26:24.

Deus não estava preocupado com Abraão ter dormido com Hagar, tanto é verdade que envia um anjo para que ela voltar-se ao seu Senhor quando esta expulsa por Abraão, mas por ele está não acreditando Nele quanta sua descendência na hora certa.

Assim fica evidente que, Deus não considerava de maneira tão contundente neste caso o que foi feito, pois se não, haveria de tê-lo morto – mas isso não aconteceu!

Embora Jesus ter-se advertido quanto ao repudio da mulher, “Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim.” Mateus 19:8. Isso não aconteceu no caso de Abraão, pois Deus tolerava mais de uma mulher com relação familiar.

Tolerar não quer dizer que isso foi o que Ele almejou para o homem.
Porquanto a função do homem era de ser um sacerdote, e assim fazer descendência a fim de ter uma geração santa no regime a qual vivia. Era comum possuir mais de uma mulher.

Conclusão

Em tantas coisas que acontecem na vida do ser humano, uma dessas pode ser dá com um divórcio (separação), na morte, na vida, e, nas causas de doenças, etc.

O homem, por conseguinte muitas vezes não espera o que lhes advém, mas por vezes aceita porque não lhes há alternativa, porque nem sempre depende de decisões dele, uma vez que tanto na sociedade quanto na vontade são determinadas por aqueles que veem as coisas de maneiras diferentes, e, aceitam ou não fazê-las de diante das suas perspectivas que de visão.

“E vi que, por causa de tudo isto, por ter cometido adultério a rebelde Israel, a despedi, e lhe dei a sua carta de divórcio, que a aleivosa Judá, sua irmã, não temeu; mas se foi e também ela mesma se prostituiu.” Jeremias 3:8.

Israel já havia adorado outros deuses, e, Deus abominou esta mulher por adulterar com outras. [G].

http://igrejaremanescente-igrejaremanescente.blogspot.com.br/ * Serão permitida reprodução total quanto parcial, onde poder ser incluídos textos, imagens e desenhos, para qualquer meio, para sistema gráficos, fotográficos, etc., sendo que, sua cópia não seja modificada nem tão pouca alterada sua forma de interpretação, dando fonte e autor do mesmo. P.Galhardo.