quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Os equívocos do Pastor Renato Vargens - não conhecer o mínimo dos mínimos.



Com o ar de quem parece saber, o Pastor Renato Vargens, levanta uma polêmica quanto os adventistas ser uma seita. Mas será que ele mesmo sabe o que é uma seita? Ao que parece, ele quis causar dissensão sem mesmo conhecer do que estava escrevendo.

Não vou aqui me alongar com relação aos mandamentos de Deus, nem tampouco os escritos da autora Ellen G. White porque tenho certeza que ele não os conhece profundamente, pois citando textos isolados da Bíblia e dela, já demonstra isso.

Mas para que ninguém duvide se é ou não importante que se deva guardar a lei vou aqui deixar algumas indagações relevantes:

1)  – Se a Lei (Dez Mandamentos) foi extintos, por que Davi disse ser ela perfeita (Salmo 19.7), o perfeito precisa ser aniquilado, uma vez que o perfeito demonstra a suma de coisa boa?

2)  Se a Lei (Dez Mandamentos) foi excluída na cruz, por que antes disso, Jesus Cristo havia dito para que ninguém nem pensasse que ele haveria de ab-rogá-la (anulá-la) tanto ela como os profetas, mas que deveria cumprir? (Mateus 5.17-19).

3)  Se a Lei moral (Dez Mandamentos) foi abolida, porque o Apóstolo Paulo falou – Anulamos, pois, a lei pela fé? [e ele mesmo responde] De maneira nenhuma: antes, estabelecemos a lei.”?

4)  Por que confundem a Lei moral com lei cerimonial (leis de ordenanças, ou seja, os sacrifícios que deveriam o povo fazer para redimir os seus pecados) alegando que Cristo anulo-as coisas que nunca fez? (Efésios 2.15).

5)  Qual a diferença de Lei moral com lei cerimonial seria a Lei moral espiritual (dada por Deus) e lei cerimonial carnal (dada por homens)? (Lei Espiritual – Romanos 7.14); (lei carnal – Hebreus 9.10).

6)  Por que o mundo dito, cristãos, não sabe que o que foi cravada na cruz, foi a lei cerimonial e não moral? Não parece que eles não conhecem direito o que diz em colossenses: “       Havendo riscado a cédula que era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.”? (Colossenses 2.14). Não poderia fazer sentido, Jesus afirmar que ninguém não deveria nem pensar que veio destruir a Lei, e em outra ocasião, através do Apóstolo Paulo recomendar, destrói-la. Não faz sentido nenhum isso! Somente pessoas desenformadas poderiam acreditar em tamanho absurdo!
7)  E por fim, A Lei Moral contêm sábado semanal? Leia (Êxodo 20.8-11). E, a lei cerimonial, tornava sete sábados anuais? Leia (Levítico 23.27; 23.32).

Ao que parece, aqueles que defendem que os mandamentos foram cravados na cruz, não conhecem bem as Escrituras Sagradas, e, portanto, para que possam conseguir que seus ditos, fiéis, permaneçam nos seus templos religiosos, adentram em informar o povo leigo em tamanhas mentiras espalhar.

Devemos saber distinguir bem o que seja Lei Moral, com lei cerimonial, e não querer alegar que a Lei Moral foi anulada. Ora, como se pudéssemos matar, adulterar, roubar, etc., etc., etc. isso seria o cúmulo! Se não fazem tais coisas, é por que estão guardando a Lei Moral? E agora como ficam aqueles que alegam que ela foi cravada na cruz, uma vez que não matam, não roubam, não adulteram e por ai vai?

Ou são conhecidos como, desconhecedores da Bíblia, ou são conhecidos de mentirosos?

·       “As ideias que alguns fazem da Lei de Deus, são errôneas e muitas vezes perniciosas. O arrojo ou ousadia dos tais chega ao ponto de ensinar ou fazer sentir que a Lei já foi abolida e que nenhum valor mais lhe resta, tão pouco tem autoridade para corrigir os costumes e influir na vida do indivíduo... Os que ensinam a mentira que a Lei não possui mais valor ou autoridade, ainda não leram com certeza os versículos que nos servem de texto (Mateus 5.17-19). Como se pode dizer que a Lei foi abolida? “outros dizem que Jesus não a fez mais que afrouxar a Lei. Ora, ainda aí, o absurdo é grande, pois será crível aos que possuem um pouco de senso, que Deus mude a Sua Lei quando Ele é imutável? Não! Tudo pode mudar-se, tudo transformar-se ou degenerar-se, porém, Deus não muda, nem o Seu poder, nem a Sua glória: os Seus preceitos são eternos.

·       Vamos mais longe: Essa Lei é base da moralidade social, e será crível que tal base seja abolida, isto é, que se mate, adultere, furte e calunie? Não! Essa Lei é toda digna de nossa admiração, de nosso respeito e acatamento.

·       “Jesus veio pôr em prática a Lei e não a abolir. Olhemos todos para esse modelo e peçamos força para obedecer os preceitos divinos.” – S. L. Ginzburg (Ministro Batista) O Decálogo ou Os Dez Mandamentos da Lei de Deus, págs. 4-7, grifos meus. – Extraído: – Gonzalez, Lourenço – Assim diz o Senhor, págs. 71 e 72.

Diante disso, concluímos que o Pastor Renato Vargens, não conhece ou desconhece, todos os textos e os argumentos de outros teólogos com relação à Lei Moral de Deus.

Porém, para mim, não seria nenhuma surpresa que ele invista contra os adventistas, pois qual seriam suas exigências da sua própria denominação se não fosse para cumprir as leis de Deus? 

Ora, isso é mais que percebido que atacando os adventistas, dar-lhe vantagem quanto não cumprir o que parece está certo?

Vamos pensar: Qual é a função da Lei, não é revelar o pecado? (Romanos 7.7), então se o Pastor esconde ou no mínimo não relata a verdade, faz-se condizente com o pecado?

E qual é o objetivo da Lei, não é levar o homem a Cristo? (Romanos 7.8), então, se o Pastor diz que ela foi cravada na Cruz, estaria ele levando seus fiéis para Cristo?

O novo concerto que Jeremias afirma que Deus colocou nos corações do povo de Israel não anula a Lei, porque esse era “A Minha Lei”, ou seja, a Lei de Deus, isto é, Os Dez Mandamentos.
Deus amigos, não muda, não há sombra de variação em suas atitudes e normas, como alguns querem alegar tamanho absurdo nisso, dizendo que mandou seu filho para quebrar suas Leis?

Sua base é seu fundamento, ninguém constrói uma casa sem um bom alicerce, e como Deus iria mudar seu alicerce, tirando-o, e como conseguiria que sua casa (Igreja) ficar-se em pé sem normas nenhuma?

Ora, até para os mais leigos no assunto, sabem que para começar uma casa, não se pode sem primeiro fazer seu e bom fundamento (alicerce) para que ela possa se sustentar com o tempo.
Mas quem vive numa casa se não aqueles que são seu povo? Ora, dificilmente uma casa é construída por um da família para dar para os outros.

Não quero nem me dá o trabalho de apresentar os escritos de Ellen G. White, uma vez que tanto ele, como daquele que a citou, desconhece o básico do básico que é ler seus livros, para fundar um juízo geral, ou seja, um conceito sobre ela. Então, não me darei o trabalho de me aprofundar no assunto uma vez que seria impossível relatar todos os seus ditos dos seus livros, pois não caberia tal informação toda aqui sobre os assuntos tratados; e mais, todos que almejam saber sobre o juízo investigativo e outras doutrinas da igreja adventista, devem ao menos ler suas doutrinas, que se constituem, em 28, num livro muito bom chamado: Nisto Cremos.

Então vou levar para vocês para outros caminhos:
Assim quando Deus estabelece que, pôs suas Leis no coração de Seu povo, era para que ele obedecer-se, pois neles fazem sua casa. (Jeremias 31.31-33).

Contudo, não fica só nisso, O Pastor desconhece o que significa, Seita, então vamos tentar abrir as mentes das pessoas quanto ao assunto:


SEITA, O QUE É?

Substantivo feminino

1. na antiga literatura romana e pré-cristã, partido ou escola filosófica.
ou seja, uma ideia de um grupo. Mas o que é igreja se não é um conjunto de pessoas que defende um tipo de fé? Logo, poderíamos, se levarmos ao pé da letra, que, então, devido à palavra ser todos, uma seita.

2. na Vulgata, variedade de tendências religiosas dentro do judaísmo. Em outras palavras até o judaísmo poderia ser um tipo de seita, haja vista que, o judaísmo foi estabelecido na forma de grupo de pessoas que veio da tribo de Judá. E, esta, tbm um grupo de pessoas.

3. doutrina ou sistema que se afasta da crença ou opinião geral. Um tipo de crença no mais sentido da palavra, tbm poderia ser um seita, uma vez que É uma crença é de um determinado grupo.

4.p.met. o conjunto das pessoas que seguem essa doutrina ou sistema. Um conjunto das pessoas é um grupo específico, logo, qualquer grupo poderia se engradar na definição de seita. Percebeu?

5.p.ext. rel grupo de dissidentes de uma religião ou de uma comunhão principal. “a s. dos fundamentalistas”
Então, poderíamos alegar que todos são dissidentes de alguma religião, pois se é um grupo de pessoas, e não segue uma religião no sentido total, então também poderia todas as religiões ser consideradas seitas. Percebeu?

6.p.Ana. Inform. grupo de indivíduos partidários de uma mesma causa; partido, bando, facção.
Ora, se uma religião defende certa doutrina, ela defende sua causa, logo, seria uma seita, um tipo de partido, um bando por ser um grupo, e uma facção por está envolvida sozinha (com certo tipo de pessoas), ser diferente das outras.

7. Teoria de um mestre com inúmeros seguidores.
Agora complicou de vez, pois se todos seguem Jesus Cristo, então, são condizentes com a sua seita, e qual seria aquela que veio do seu nome, não é o cristianismo, Então seus seguidores seguem sua seita.

8. Soc. sociedade cujos membros se agregam voluntariamente e que se mantém à parte do mundo.
Ora, mais uma grande complexidade uma vez que os seguidores do mestre não são do mundo, assim como ele disse não ser, logo é participante da seita.
Por fim, Origem

ETIM lat. secta, ae 'partido, causa, princípio, escolha filosófica, fileira'

Conclusão, segundo todos esses fatores existentes nesses tópicos, nos leva a crer, que nenhuma religião deixa de ser uma seita, pois ela nada mais seja que um grupo de pessoas que ousou ser diferente do mundo, fundando uma religião que defende um contexto de seu mestre.


Mesmo diante desses todos equívocos provocados pelo Pastor Renato Vargens, talvez por lhe faltar conhecimento, ou ignorância mesmo (pois não conhece), ainda o admiro pelos seus escritos. [G].
Um blog abaixo da média, mas além dos fatos.

http://igrejaremanescente-igrejaremanescente.blogspot.com.br/* Serão permitida reprodução total quanto parcial, onde poder ser incluídos textos, imagens e desenhos, para qualquer meio, para sistema gráficos, fotográficos, etc., sendo que, sua cópia não seja modificada nem tão pouca alterada sua forma de interpretação, dando fonte e autor do mesmo. P.Galhardo.