quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

O DEDO DE DEUS OS CALENDÁRIOS E O SÁBADO




A Palavra calendário tem sua origem na palavra latina calendarium. "CALENDA ' deutério, ou melhor Kalenda ' deutério, é a conta-livro, em que os credores inscritos os nomes dos seus devedores e as somas que eles devidos. Como os juros sobre o dinheiro emprestado era devido na Calendae de cada mês, o nome de Calendarium foi dado a um livro (Senec. De Benef. que 0,2 VII 0,10 ). A palavra foi posteriormente usado para indicar um registro dos dias, semanas e meses, o que corresponde a um almanaque moderno ou calendário. Fonte:William Smith, DCL, LL.D.: 
Um dicionário de grego e romano Antiguidades; John Murray, Londres, 1875.






       Um calendário pode constar dum quadro, livro ou catálogo que indique as divisões do ano em estações, meses, semanas e dias, servindo também para orientar o homem no conhecimento de certo fenômenos astronômicos, a saber: lunações, mares, eclipses, etc.
Você ficaria sem marcar o tempo? Acredito que não! Pois é, algumas pessoas no passado já anotavam seus dias com pedaços de ossos e madeiras. Há registro que indicam que já na    antiguidade cerca de 3.500 e 3.000 a.C. A civilização Suméria, utilizavam-se de escrita cuneiforme; e que usavam um calendário bem parecido com o nosso, com um ano de 12 meses.
É difícil acreditar que existem uns 40 calendários usados, porém possível; os calendários surgiram na necessidade do homem para que pudessem ser contados os ciclos de dias naturais. Nossos olhos devem-se voltar na criação no livro de Gênesis, onde lemos: " Enquanto a Terra durar, sementeira e sega, e frio e calor, e verão e inverno, e dia e noite, não cessarão". (Gênesis 8.22). Neste percebemos Deus marcando a toda humanidade desde do começo do mundo, desde épocas, desde do universo, sua estratégia na divisão do tempo. É na própria criação e em tarde e manhã em torno do Sol que nos é mostrado os dias subsequentes formando: semanas, meses e anos; numa revolução em torno do Sol na órbita da Terra em relação em torno do sol que dura 365 dias e 6 horas (ou 1/4 dia).





Os babilônicos, usavam o calendário lunar  com 12 meses de 30 dias cada um formando assim 360 dias  seu ano. E na defasagem que havia, a cada 6 anos acrescentam um mês a mais. 


Dizem  e afirmam, que, Os egípcios são os primeiros a utilizar um calendário solar , embora os 12 meses de 30 dias sejam de origem lunar. O ano tem 365 dias - e 6 horas a menos que o ano solar, o que significa atraso de um dia a cada quatro anos.

O regime de águas do Rio Nilo pode ser dividido em três partes: o período das cheias, o período de plantio e o período da colheita. Como elas são periódicas, ou seja, são cíclicas, estes ciclos levaram à criação do calendário egípcio. Cada um destes ciclos durava quatro meses.



www.quediaehoje.net/calendario-egipcio. 



A lenda diz, que o primeiro calendário Romano fora instituído por Rômulo no ano 753 a.C.; influenciado pelo calendário egípcio. Era, uma calendário formado por 10 meses de 30 ou 31 dias, num total de 304 dias   
e os demais dias 61 dava-se no inverno e não era contados. O primeiro mês começava em março como segue nesse: 
Mês
Duração
Descrição
Martius
Aprilis
Maius
Junius Quintilis Sextilis September October November
December
31 dias
30 dias
31 dias
30 dias
31 dias
30 dias
30 dias
31 dias
31 dias
30 dias
consagrado a Marte, deus da guerra
dedicado a Apolo, deus da beleza
dedicado a Júpiter, deus do Olimpo
dedicado a Juno, esposa de Júpiter
-
-
significa sétimo
significa oitavo
significa nono
significa décimo    


                            Numa Pompilio

Numa Pompílio FOI UM sabino escolhido Como Segundo rei de Roma. Sábio, pacífico e Religioso, dedicou-se a elaboração das Primeiras leis de Roma, Assim Como dos Primeiros Ofícios Religiosos da Cidade e fazer Primeiro Calendário. Como era religioso e preocupado em adoração mesmo sendo a um deus pagão trabalhou para desenvolver um calendário que, tivesse dias para adoração a seu deus, e dias de trabalho no comércio. ancienthistory.about.com  
Na Grécia antiga eles usavam como base os jogos olímpicos para determinarem seus anos. Embora que em cada cidade tinha seu próprio calendário lunar, chamado lunissolares eram semelhantes e o mais que difundido era o Ateniense; que era formado por 12 meses de 30 dias, que era mais curto que o do ano solar 11 dias. E para que tivesse a mesma coincidência com o ano solar, intercalavam o 13º mês.    www.portalsaofrancisco.com.br.





Na expansão do cristianismo surge o guia religioso, "o principal objetivo era regulamentar o ciclo dos dias sagrados". "Pensaram os homens que seriam 360 dias (falando a respeito da divisão do tempo estabelecido nos calendários); pensaram depois que seriam 365 dias, pensaram ainda que seriam 366, mas na verdade um ano tem 365 dias, 6 horas, 9 minutos, 10 segundos e 7 terços". Deus não permitiu que se alterasse o ciclo semanal mesmo através dos tempos. " O ciclo semanal e o Sábado, ambos originários nos eventos da criação, tem marchado juntos através dos séculos, até o presente, em sucessão certa e ininterrupta". O ano, o mês e o dia são períodos de tempo fixados pelas revoluções da Terra e da Lua, enquanto a semana, na definição da Encicloplédia Baritânica, "é um período de sete dias, sem referência alguma aos movimentos celestes - circunstância à qual deve ela sua inalterável uniformidade....  Tem sido empregada desde tempos imemoráveis em quase todos os países do Oriente". - Vol. IV, art. Calendário, 11ª, edição pág. 988. De modo maravilhoso e surpreende Deus preservou ambos(Criação e o Sábado) da possibilidade  de mudança ou perda. A criação permanece e o Sábado como final dos dias semanais totalizando o Sétimo Dia.
O astrônomo Luis Lílio notou no calendário Gregóriano que havia e um atraso de 10 dias, de acordo com os calendários existentes. Luiz Lílio deu conselhos ao Papa Gregório XIII e este decidiu que o dia seguinte a 4 de outubro de 1582 se chamaria 15 de outubro. Houve, portanto, diferença somente no número do dia, isto é, o dia seguinte a 4 de outubro devia ser 5 e passou a ser 15. Não houve alteração no ciclo semanal. 




Tudo isso é uma prova em favor da defesa dos princípios observados por aqueles que respeitam o Livro Divino: Em 1981 reuniram-se em Genebra representante de mundo político, comercial e religioso para a chamada "Conferência para a Reforma do Calendário". A mudança advogada pelos presentes viria quebrar o ciclo semanal e fazer com que o Sábado Divino caísse em diferentes dias da semana cada ano. Como sempre Deus em todos os tempos teve os defensores ardorosos da verdades Sagradas. Assim, onze observadores do Sábado - componentes da delegação dos Adventistas do Sétimo Dia, protestaram e conseguiram a não reforma do calendário. A célebre conferência foi adiada para um a ocasião oportuna. O Espírito de Deus através de seus dedo esteve presente e guiou seus humildes filhos a mais um triunfo em favor das verdades contidas nas páginas lapidares do Livro Sagrado.



Quanto os dias, meses, anos e o dedo de Deus permanecem; como também a Palavra de Deus para sempre.