domingo, 3 de novembro de 2013

A Doença dos Ateus e Agnósticos


Quando se é negado à moralidade, negasse as perturbações que permeia nas mentes individuais. Em Teologia se crer que tanto à ética como a mente perturbada existem.

Porém, existe a diferença entre os dois, sendo, portanto, válida toda a observação nestes dois campos.

Quando um cliente se direciona ao seu psicanalista e os dois tentam livrar-se da responsabilidade que a moral exige e zomba, nem por isso faz-se escapismo.

Porque a alma perturbada não pode ser liberta “por si mesma”, pois a pessoa que conta consigo mesmo estaria totalmente fora dos padrões da realidade.

Uma doença é curada devida dois fatores importantes: se há um mal na alma o indivíduo não poder ser curado pelas suas forças, por já está doente e procura solução.

Logo, se está doente, falta-lhe perfeição, por seu estado mórbido. Assim sendo, a condição envolve remédios que vem de fora para dentro do corpo.

O mesmo se faz quanto a moral vem de fora para dentro. Porém, muitos dos seres humanos almejam se distanciar da cura, e continua no seu estado doentio.

Os ditos “é meu jeito” recusam-se de todas as formas de encarar que as suas desordens emocionais, não pode ser tratada de maneira supostamente fácil, pelo simples fato de sua mente está confusa.

Esses do jeitinho fácil e continuado, até zombam e rejeitam os outros, quanto os religiosos serem corretos e amáveis, ficam piores chegando até passando por ridículos, a fim de desviar-se de que os religiosos não os censure, visto acharem que estão no caminho certo.

Uma vez que sua consciência mostra-lhe os erros, assim mesmo querem permanecer errando, porque o orgulho já lhe tomou conta, e seria demais para eles reconhecerem que os evangélicos estão corretos.

E o que faz? Começam a incentivar a outros para que não necessite de orientação e instrução de nenhum evangélico, pois, eles são os mais enganadores da face da terra. Poderemos admitir que neste campo realmente, existe muitos falsos profetas. Mas dentro de todo sistema social, existe pessoas honestas e sinceras que estão dispostas a ajudar e curar doenças causadas muitas vezes pelo um sentimento de culpa.

O Ateísmo e o Agnosticismo é um jeito de tentar fazer que muitos saiam da culpabilidade onde imaginam um mundo da utopia. Uma casa que está pegando fogo e você observa isso, e acredita que irá chover naquela mesma hora, ou irá chamar o corpo de bombeiros para apagar as chamas? Logo, deixar de aceitar sua culpa por achar-se muito bom, curaria suas aflições mentais? Se fosse assim, teríamos que admitir que um doente se curasse por sugestões aleatórias.

Negando sua culpa mostrasse covarde, por não admitir que não exista mal nenhum em si próprio. Todos por demais orgulhosos que necessitem de auxílio de fora para dentro para curar sua desgraça.

Pois o que sintam de ódio pela religião, é o ódio que faz presente em seu estado enfermo. Porque não é fácil para aqueles doentes que possa entender que está adoentado. Embora sinta ser acamado muitas vezes acredita e crer que não possa está.
Por que não aceitam a bondade de Deus e aqueles que querem ajuda-los a conhecê-la? Porque sabem que bondade, exige responsabilidade, e a responsabilidade exige regras e regras exige que se tenham leis.

Mas, os anarquistas e comunistas não aceitam seguir regras e leis que os corrijam da sua ideologia. Onde imaginam que possa fazer um mundo melhor sem Deus.  Se Jesus tivesse sido tão tolerável e tão liberal vocês acham que Ele teria morrido numa cruz? Claro que não!

Porque foi sua perfeição nos mandamentos de Deus e no seu testemunho bondoso que fizera que os fariseus e povo rejeitassem-no. Nós não podemos negar os fatos históricos da sua vida. Seria incoerência não perceber os historiadores e nem os arqueólogos quanto suas observações, analisem e pesquisas concretas.

Aqueles que se intitulam ateus e agnósticos, nunca levaram sua consciência real na observação e analise profundo dos escritos proféticos bíblicos. Geralmente e quase sempre, sabem pouco quando se trata de estudo bíblico. Porque só sobrecarregam suas mentes na alegação da negação, sem se comprometerem ao estudo profundo.
Algum engenheiro constrói sem antes estudar todos os pormenores do imóvel? Se na construção exige estudo e detalhe, já concebeu no campo onde o transcendental atravessa nossa compreensão objetiva, e nos surpreende a cada momento com descobertas pela ciência daquilo que nunca imaginamos? Sabem que existe o dualismo entre Deus e os pecados (erros), porém, não admitem.

Embora no íntimo possa admitir que exista coisa fora da nossa compreensão, não aceitam, porque se fazem maus e bons. Não bastante ficam confusos, para piorar não querem entender que a existência da força dessas emoções tem princípio e forma.
Quando não se está totalmente curado duas coisas acontecem: 1) Se aprofundam no poço das banalidades, onde sua superficialidade toma conta do seu espirito enganado; 2) Sua audácia desacerbada, leva-os a loucura na sua vida em acreditar em Darwin, Marx e Freudismo, em vez de Deus.

A doença curável não está em não acreditar, não, é não perceber o que está ao nosso redor. Pedro viu e desacreditou quando afundou na água. Judas andou, conversou e foi alertado e assim mesmo não deixou Jesus curá-lo.

O desespero desses (ateus e agnósticos), não está em reconhecer seus erros, e acreditar em Deus, não, o desespero está em prover a discordância da alma que se volta para Deus. Porque uma alma assim se objeta da natureza percebida.

Os problemas dessas almas é pensar que os religiosos estão levando vantagens em tudo e no melhor. Pensam que estão exercitando forças para os destruírem. Porém, esquecem-se das normas apresentadas por Deus, onde diz: “Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e quem matar será réu de juízo. Pois Eu [Jesus] vos digo que todo aquele que se irar contra seu irmão será réu [condenado] de juízo. E o que lhe disser: louco [por está acreditando que existe um Deus] será condenado ao fogo do inferno.” (Mateus 5.21 e 22).

Daí surge à desconfiança, porque também presenciaram a inquisição católica e no que aconteceu no passado; e muitos deles aceitam os fatos ocorridos. Porém, rejeita, mas sabe que existiu. Os seus esforços muitas vezes geram doenças incuráveis de serem tratadas, por seu subconsciente já em estado avançado de negação aceita. Uma vez que o pecado da negação já imposto na sua mente, o equilíbrio da justiça perturba-o e o incomoda.
A mosca de tanto posar na ferida injeta larvas e essa provoca infecções crônicas. E mesmo sendo tratada a ferida, deixa manchas, e muitas vezes por toda a vida. Assim é o pecado, uma vez aceito na forma mais perversa mais cicatrizes ficarão. O marceneiro enche às tábuas de pregos, e quando os tira, percebe os furos abertos nas tábuas. O mesmo faz-se na doença da ferida não tratada fica aberta.

Agora, se você se dispõe há serem tratados, os buracos pode ser tapados com massa corrida. Os buracos dos pecados causados pelas doenças são-lhes curados pela graça de Cristo. Embora acontecendo à cura, o mesmo acontece às marcas, visto ser necessária para lembrança. O mesmo fizera Deus com Moisés quando pecou duvidando e rebelando-se ao bater na rocha. Deus impôs sinal: “Tu não irá atravessar o rio Jordão”. (Deut. 3.27). Não deixe meu caro amigo que as doenças da incredulidade na sua vida, faça-se pior, a tal ponto das cicatrizes serem profundas que precisaria ser usado uma lata de massa para supostamente para cobri-la.

Quando Natã apresenta o pecado a Davi, mesmo tendo se arrependido do pecado cometido, quando arrependido, Deus perdoo-lhe (2 Samuel 12. 13), porém, a morte do filho foi-lhe imposta (verso 14). Uma vez rejeitada a advertência do profeta de Deus, o mal tornar-se maior.

Conclusão

Não reconhecer o amor de Deus que deu Seu Filho para ajudar o homem na doença, a Sua amizade tornasse inimizade para com Ele. Se voltarmos a Deus o reconhecimento de nossa carência para que ele nos cure, o Seu reconhecimento através da expiação do seu Filho, aceita-nos como limpos. Apenas Deus pode nos curar da incredulidade e da falta de fé. Lembre-se que Jesus havia dito a Pedro que iria orar por ele com relação à fé. Nós não vamos ao padeiro para tratar nossa doença, mas aos médicos. Assim é, o médico dos médicos – Jesus Cristo.

A maior parte das pessoas neste mundo cruel e tenebroso ficam a mercê das doenças do pecado. E como dão valor para os erros, principalmente na área sexual. De fato, o maior erro somos nós acreditarmos que a dor do mal é boa coisa. É o mesmo que aceitar que dor da picada da abelha faz-nos bem. Quando ela pica doe e inflama e quando muitas, mata-nos. Pois é assim mesmo o pecado em grande proporção, uma vez muito, nos mata. 

Que todos nós possamos alcançar cura, e que aqueles que não creem em Deus, possam fazê-lo o mais rápido possível, porque a doença está alastrando-se, e o doutor está perto a chegar. E se Ele chegar na hora que a doença virou câncer não mais poderá fazer mais nada, há não ser dizer: “Estais para morrer”. [Galhardo].