sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Culpados pela Moral (Ética)


               
Muitos não querem admitir que as rejeições dos padrões éticos, causa um senso de culpa. Mesmo aqueles que não querem aceitar leis, sabem que estão errando.

Não há e não existem pessoas civilizadas no contexto de uma sociedade  geral e desenvolvida, que não saiba que roubar, matar, adulterar etc., que não seja errado.

Mesmo aqueles que influência outros para o erro, sabe muito bem que está andando num caminho onde não se deva andar.

Assim é controverso não admitir a realidade da moralidade; visto conscientemente saber que está cometendo erros.

Se o problema está em não atender às expectativas que segue o padrão exigido pela humanidade, haverá um conflito básico, porque à vida segue regras e essas são-lhes imposta, para que se tenha normalidade.

Imagine: sabemos que temos que nos alimentar todos os dias, para poder ter uma vida e existência normal. Vamos à padaria comprar nossos pães e leite, vamos ao mercado para abastecer nosso armário, pagamos nossas contas para que possamos usufruir o que o mercado nos proporciona.

Pois bem. O remédio para a cura dos erros está seguindo na observação dos valores éticos, onde sem eles, não podemos ter como traçar um linha do que é certo e do que é errado.

Ninguém viaja sem saber seu destino, pois se assim fizer ficará perdido. Ora, qual piloto que navega sua nave e não carrega consigo seu aparelho de radar para a fim de poder ver a direção e o obstáculo?

Aqueles que são os ditos escapistas, recusam-se em aceitar o fato que suas próprias vidas estão desordenadas, porque sua miséria não o faz perceber sua necessidade em aceitar regras.

Assim, os seus meios fáceis, tentam a todo custo fazer-nos achar que nossas vidas padronizadas são piores que as deles. Mas, isso mostra o absurdo, até porque sua vida fácil exigiu a facilidade em cumprir seu objetivo em ser fácil.  

E até para ter uma vida completamente anárquica, em dado momento irá perceber que mesmo tendo a suposta vida fácil, sem regras não irá chegar a lugar nenhum.

Seria fácil viajar para o oriente sem dinheiro? Claro que não! Portanto, para viajar se exige o dinheiro para se comprar a passagem, e para se tê-la, precisa-se de trabalho; onde se possa ter renda que se compre a passagem. Logo, isso é regra aceita.

Sem regra ou lei, não existe linha a seguir. O agitamento que mergulha na excitação, que as multidões, nos querem fazer aceitar na consciência do coletivismo, impor sobre voz mansa e muitas vezes sobre o barulho do comunismo, a regeneração do ser humano.

Querendo fazer-nos aceitar que necessitamos de uma revolução anárquica, para corrigir os nossos valores morais, pois, aqueles que temos são uma ilusão utópica aonde ninguém vai há lugar nenhum.

Contudo, viajamos sem destino? Até para comprar o pão e o leite precisamos saber onde fica a padaria ou o mercado. Portanto, a afirmação de não regra ser essencial é falsa aos olhos da sociedade cristã.

Não existe sistema sem regras. Até para ser comunista ou anarquista tem que haver uma cartilha e quem comanda. Toda ideia surge de alguém, não existe quem pense que não se submeta a cumprir seus objetos regrados.

O homem escapista ou anarquista segue caminhos e esses, precisam ser dirigidos pelos seus objetivos, todos eles são pré-estabelecidos - Até para se roubar o ladrão faz seus planos.

Mesmo uma pessoa agindo por ímpeto, uma regra segue. Pois, para se fazer qualquer coisa, exigem diretrizes há serem tomadas. Nenhum repórter escreve um assunto sem saber o que iria escrever.

Se uma pessoa normal que compreende, entende que mesmo nos campos diversos, existem regras, o mais, é aceitar que sem elas não se possa fazer nada. Mesmo aqueles que no seu coração desesperado e infeliz incute o ódio às pessoas que creem em Deus, tem que admitir regras, porque sem aceita-las na realidade, se fazem falsos.

O homem liberal que sentisse seguro na liberalidade de seus atos: sabe que não consegue nem em tese liberar tudo, porque sua liberdade está presa a sua vontade na liberalidade que almeja. Luta por aquilo que acredita e no que acredita, faz regra a fim que outros aceitem sua cruel liberdade.

Sua suposta virtude liberal constitui um julgamento louco e não aceito por pessoas que sabem que não estamos liberados em fazer da nossa vida, nossa vontade ao bel prazer ser aceita por todos.

Porém, não é porque sua libertinagem já é aceita e admitida que não se possa mudar sua forma de pensar, visto com um tempo se amadurece o pensamento e o raciocínio. O ditado nos dias: “ninguém nasce sabendo”, então, nossa vontade é fazê-lo pensar de maneira racional.

- O animal irracional é que não pensa, certo? Se você se considera apto e coerente nas suas afirmações, logo não sente a necessidade em ser um animal irracional, visto pensar.

Entretanto, se nós queremos escapar do racional, já não o somos. A razão séria e capaz não é aquela que pensa ser certo o que está entre seus pensamentos, porque o homicida mata constantemente e seus pensamentos não são bons, tomo um psicopata.

Aqueles que querem viver sobre o mantra do escapismo anárquico comunista, muitas vezes nem sabe que comunismo veio da derivação de comum, porém, o comum virou imposição totalitária.

É comum eu impor numa sociedade o que ela deve fazer ou não fazer? Podemos orientar e assumir compromisso para que às pessoas sejam melhores e respeitosas, mas jamais comandá-la como queremos.

Nem o próprio Jesus fizera tal coisa, quando os samaritanos não o aceitaram. E existiu alguém mais comum que o Filho de Deus na terra? Claro que não! Mesmo sendo o homem mais bondoso do mundo, onde mesmo até os anarquistas sabem disto, mesmo não querendo admitir e nem aceitar, historicamente e comprovadamente pela arqueologia sabem.

Os passos de todos não são dados com pulos, pois ninguém é sapo. Até para andar, seguimos comandos de um a um para nos movimentar.

As pessoas que perdem de vista seus comandos, perdem de vista aonde vão.  Eu quero ir num lugar, mas não sei por que não tenho regras para onde vou, e se não sei, como vou chegar aonde quero? Percebeu a incoerência daqueles que querem determinar suas regras sem regras?

Uma lei no contexto bíblico segue regras dos costumes, épocas e sentidos corretos, mesmo quando referido ao grupo e principalmente religioso. Deus não quis que os homens seguissem suas próprias vontades, porque sabia que esta, não seria feita de maneira há atender o próximo; pois o homem é egoísta na essência.

Veja isso: ”Mas vejo uma lei diferente agindo naquilo que faço, uma lei que luta contra aquela que minha mente aprova. Ela me torna prisioneiro da lei do pecado que age no meu corpo.” (Romanos 7.23).

Paulo reconhecia que precisava de regras, pois, as suas não eram boas e podiam leva-lo para morte. (verso 24). Seu corpo agia diferente no querer o bem.  Ele sabia que servia a lei de Deus, porém, na prática servia a lei da sua própria vontade. (verso 25). Isto é uma prova que nossa vontade nos leva ao precipício do abismo (morte).

Conclusão

Uma vida sem regras, não leva a lugar nenhum, como já entendemos no contexto desse texto e até no contexto principal bíblico.

Existimos e agimos com uma regra de vida que nos direciona para diretrizes pré-determinadas pelo objetivo concreto racional.  Sair deste, não é racional, porque a direção no ir exige de nós traços de mãos.

Qual mão, iremos tomar? Na nossa frente existe um desvio que pode nos levar a cair num poço sem volta, e à curva é íngreme e acentuada.

Se formos rápidos e levianos, quanto anárquicos, podemos nos afundar e morrer no rio que se faz presente no erro de não conseguirmos dá a curva certa, e não quisermos seguir as regras que a estrada nos mostra que direção tomar.

Tomemos cuidado aonde vamos, porque podemos cair e no mato tem cobras e essas mordem e lançam venenos. Que Deus nos ajude a ver os faróis e placas desta estrada. Amém![Galhardo].