sábado, 8 de agosto de 2015

O T de "TAU" é o mesmo de "Staurós"?

                                                                  Foto original do livro - Crucificação antiga


O T de “TAU” é o  mesmo de “STaurós”?

Por muito tempo eu tentei descobrir, por que será que na dita, caixa do Ossuário do Túmulo Secreto de Jesus um filme de Sincha Jacobovici, apresentado por James Cameron, o que significa o T traduzido como realidade?

Então hoje por acaso vendo um livro antigo chamado: Radiologia do Jeovismo: descobri – bom, antes de qualquer coisa, quero deixar claro que essa interpretação me parece exata e digna de toda a confiança, sem, serem inequívocas tais afirmações.

Vamos aos fatos apresentados no livro: E o “Staurós”?

De bem, que muitos dos escritores arcaicos gregos geralmente apresentavam Staurós com propósito concreto para definir a cruz. Portanto, segundo até mesmo não somente pelo livro da qual estou aqui observando, mas da própria autoria “International Standard Bible Encyclopaedia, tem duas designações no grego: staurós, ’uma estaca’, ‘um poste’... Perto de dez dos melhores léxicos gregos são unânimes em definir staurós como 1. Pau; 2. Paliçada; 3. Estaca; 4. Patíbulo; 5. Instrumento de suplício; 6. Cruz. Ora, é um contrassenso pretender que a palavra tenha apenas UM desses significados. Da mesma forma, o verbo stauroô, significa levantar uma paliçada, proteger com paus, empalar, crucificar. Tau é a designação grega da letra T. E o T assemelha-se à cruz. Há até um tipo de cruz exatamente com essa forma. A forma de um T ou, no grego, de um TAU. O verbo sTAUroô, etimologicamente significa ‘ colocar num TAU’ (isto é, num T). A palavra ‘tau’ está dentro de staurós e stauroô. Daí o sentido de crucificar...”.

Entendemos agora porque seus autores (diretores e produtores), não quiseram traduzir a letra T que estava impressa na caixa, pois seria evidente demais supor que pertencia a cristo, e relaciona-la com sua existência como Um Deus que se tornou homem e enfuscou-se.
Por outro lado, não podemos negar que isso poderia ser uma evidência ser verdadeiro tal achado, mas com outro ponto de vista, uma vez que há provas suficientes da sua existência morto numa cruz e de auto-intitula-se, Deus, quando disse: “antes que Abraão existisse Eu Sou!”. Ora, não parece ter sido acrescido tal afirmação, pois nos lembremos da profecia de Isaías 53, do cetro de Jacó etc.

 Conquanto quisesse aqui retratar sua morte numa cruz, refutando os jeovinistas, não podemos deixar de perceber o paralelo quanto ao assunto relacionado (paralelo) com a letra T.

Veja o vídeo - depois, retorno



Iremos agora ver mais provas:

Primeiro Testemunho Arqueológico da Cruz

“O mundo todo ficou emocionado com a notícia amplamente divulgada pelos meios de comunicação de massa. Em fins do ano 1970, arqueólogos israelenses encontraram o esqueleto de um crucificado há cerca de dois mil anos. Esse achado foi minuciosamente estudo por especialistas, e trouxe muita luz sobre o suplício da cruz. Nas escavações que se faziam para uma construção civil, encontrou-se um túmulo muito antigo. O Dr. Niqu Has, Diretor da Seção de Anatomia da Faculdade de Medicina da Universidade Hebraica (uma das mais famosas do mundo) fez acurados estudos sobre o achado, concluindo que era de ‘considerável importância antropológica e histórica’.
Segundo esses estudos, o crucificado tinha estatura de 1,67m, e idade variável de 24 a 28 anos. No ossário havia inscrito o nome Yehohnan, forma hebraica do nome João.

Outro cientista, o Professor Vassilios Tzaferis, arqueólogo do Departamento de Antiguidades, da mesma universidade, concluiu que a execução ocorrera no primeiro século da Era Cristã. E isto é muito importante, porque se pode estabelecer um paralelo entre esta crucificação e a de Cristo. A cruz ora descoberta tinha um minúsculo assento, ou sedicula, onde a vítima podia apoiar uma única nádega. Sua finalidade era evitar que o crucificado morresse mais rapidamente e, portanto, prolongar o suplício. “As observações anatômicas indicam que o homem fora pregado na cruz na posição mais antinatural possível.” (Radiologia do Jeovismo, págs. 193 e 194).

Pois bem, como já tratado no assunto que a letra T faz referência a cruz, pois vem da expressão grega diminutiva TAU, nos leva acreditar que esses integrantes do filme, embora dizendo um deles serem arqueólogos, queriam realmente desqualificar a crença num Jesus Cristo divino.

Contudo, os fatos existentes e comprobatórios, são no mínimo dignos de confiança quanto sua existência e divindade.

Lembrando que um deles é o livro de Isaías, e, portanto, seu relato. Isso sem contar dos escritos de Flávio Josefo, historiador que afirmava sua existência e seus feitos, milagres uras e prodígios.

Então a conclusão que tiro é que, sendo ele judeu (James Cameron) e não aceitando que o Messias já veio, espera outro, e por isso, tentou formar outra conclusão nas mentes dos incautos.

Convém lembrar que a palavra "primus" do latim, refere-se a primeiro, que destaca uma grande importância, quanto à expressão grega ‘ protocolos pases Ktiseis’ que quer dizer literalmente: “O Senhor de toda a Criação”, ou ainda “O originador de toda a Criação”, como foi traduzido por Erasmo (original: bringer forth). “Isto é, primeiro autor, ‘produtor original’.” (ibidem pág.201).

O Apóstolo Paulo quando escrevia para os colossenses estava referindo-se a Jesus Cristo – então a pergunta que fica é: estaria Paulo enganado a apresenta-Lo (Jesus Cristo), como Deus, pois sabemos que jamais homem nenhum teve o poder de criar? (Col. 1.15).
Sabemos que quando Deus chamava de primogênito era para designar que era especial para ele.

Vede isso: O domínio pertence ao Messias. Gên. 49.10; Rom. 8.29. “O primogênito gozava o direito de dominação, autoridade igual a do pai sobre os irmãos.” (Gênesis 25.23; 27.29).

Diante de tantos fatos apresentado, os que nos leva a crer que eles estavam mal-intencionados com o fim de ocultar a verdade, mas como todos já sabem que esse blogger procura revelar o escondido, pois nosso lema é: a verdade é nosso objetivo é a força ideal.

Assim como o T era uma letra tanto siríaca, como grega, ela também ficava dentro do contexto de TAU visto era traduzida desta forma nos tais idiomas. [G]. 
Um blog abaixo da média, mas além dos fatos.

http://igrejaremanescente-igrejaremanescente.blogspot.com.br/*

 Serão permitida reprodução total quanto parcial, onde poder ser incluídos textos, imagens e desenhos, para qualquer meio, para sistema gráficos, fotográficos, etc., sendo que, sua cópia não seja modificada nem tão pouca alterada sua forma de interpretação, dando fonte e autor do mesmo. P.Galhardo.