quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Por que alguns não creem na Profecia de Ellen G. White?



Revista VEJA publica matéria afirmando que as escolas adventistas estão entre as melhores do país

Publicado em 22 setembro 2007

Em sua edição de número 2025, do dia 12 de setembro, a revista VEJA publicou uma matéria na qual afirma com argumentos e números que a rede educacional adventista vem crescendo de forma vertiginosa, chegando a usar a expressão “o fenômeno adventista”. No texto, de auto
ria de Marcos Todeschini, é mencionado que a rede apresenta a teoria criacionista aos seus alunos.

Segundo o líder de Educação da Igreja Adventista para a América do Sul, professor Carlos Mesa, “a matéria enalteceu a educação adventista e ressaltou nosso diferencial, o criacionismo. É nisto que cremos e é isto que temos que ensinar. Temos que deixar isto bem claro a toda sociedade”. Em um trecho da reportagem, a diretora de uma das escolas adventistas, Ivany Queiroga da Silva, explica como o assunto é apresentado aos alunos: “Deixamos claro nosso ponto de vista, criacionista, mas damos a chance de os alunos conhecerem os dois lados. Respeitamos todos os nossos clientes. Além disso, eles precisam conhecer Darwin para passar no vestibular”.

Analisando a publicação, o líder de Comunicação da Igreja para a América do Sul, pastor Edson Rosa, menciona que “quando uma revista de grande circulação nacional e formadora de opinião como a revista VEJA, destaca a educação adventista, mostrando os seus valores e diferencial criacionista, é uma demonstração de que estamos cumprindo com o nosso papel como Igreja Adventista do Sétimo Dia, em reconhecer a Deus como Criador”.

leia toda a reportagem:


Graças a Deus – e não a Darwin

As escolas adventistas aparecem entre as melhores do país, mas ainda sobrepõem o criacionismo à teoria da evolução

O ensino religioso remonta aos primórdios do Brasil colonial. Foram os padres jesuítas, patrocinados pela coroa portuguesa, os fundadores de algumas das primeiras escolas brasileiras no século XVI. A educação, no Brasil de então, se prestava basicamente a disseminar o catolicismo e arrebanhar fiéis. Nos séculos seguintes, outras ordens religiosas vieram movidas pelo mesmo propósito: elas esparramaram tantas escolas pelo país que, juntas, chegaram a concentrar 80% das matrículas do ensino médio nos colégios particulares, como revela um censo do início do século XX. Reinaram sem concorrência na elite do ensino até a década de 60, quando uma leva de escolas privadas começou a lhes roubar espaço, e elas tiveram de se reformular pela primeira vez para sobreviver aos novos tempos. Foi aí que os colégios confessionais se aproximaram dos laicos, ao se tornar menos doutrinários e desobrigar os estudantes de velhos hábitos, como ir à missa ou comungar. A segunda mudança nessas escolas é recente, e está sendo impulsionada por outro fenômeno de mercado: o surgimento de grupos privados de ensino, mais profissionais na gestão e tão ou mais eficientes nos resultados acadêmicos. Resume o especialista Claudio de Moura Castro: “Ninguém mais matricula o filho numa escola só porque ela ensina religião, como ocorria antes, mas, sim, por oferecer um conjunto de bons serviços”.

É justamente nesse quesito que muitas das escolas confessionais têm falhado, segundo mostra uma nova pesquisa sobre o assunto. De acordo com os dados do Ministério da Educação (MEC), as matrículas nos colégios católicos chegaram a cair 20% ao longo da última década. Estabilizaram-se, mas hoje não saem do lugar. O trabalho revela que, no mesmo período, crescia a um ritmo surpreendente um outro tipo de escola religiosa: os colégios comandados pelos adventistas, egressos de um ramo protestante dos mais tradicionais da igreja evangélica. O fato chamou a atenção dos especialistas. Já são 318 dessas escolas no país, com 37% mais alunos do que dez anos atrás. Elas sobressaem em meio a milhares de outras não só porque proliferam rapidamente, mas também por seu bom nível acadêmico, aferido por medidores objetivos: algumas das escolas adventistas já aparecem entre as melhores do país nos rankings de ensino do MEC.

Os especialistas são unânimes em afirmar que um dos fatores que impulsionam essas e as outras escolas religiosas que dão certo no Brasil são valores que os pais acreditam ver nelas reunidos. É algo difícil de mensurar, mas foi bem mapeado por uma nova pesquisa que ouviu 15 000 pais de estudantes brasileiros de colégios religiosos. Ao justificarem sua escolha por uma escola confessional, eles foram específicos: acham que esses colégios são mais capazes de difundir valores “éticos”, “morais” e “cristãos” (mesmo que eles próprios não sejam seguidores de nenhum credo). Um exemplo concreto do que agrada aos familiares, no caso das escolas adventistas: o incentivo local ao convívio das crianças com a natureza. Em vários dos colégios, cachorros transitam livremente pelas salas de aula e, num deles, o contato estende-se ao Pequeno Éden, um pátio por onde perambulam pôneis e galinhas. Em Embu das Artes, cidade de São Paulo onde fica a escola que sedia o tal “Éden”, a diretora explica que a idéia é reproduzir o “clima do paraíso”. O que também agrada a pais de todos os credos são as regras conservadoras ali aplicadas, entre elas a proibição de brincos e colares, para as meninas, e cabelo comprido, para os meninos. “Quero minha filha num ambiente onde se cultivem a disciplina e os bons hábitos”, resume a secretária Vanda Balestra, mãe de Ludmila, de 16 anos. A jovem é católica e compõe o grupo dos 70% de estudantes matriculados em escolas adventistas que não seguem a religião.

Em sala de aula, onde se acompanha o currículo do MEC, são basicamente dois os momentos em que essas escolas se diferenciam das demais. O primeiro é nas classes de religião, muitas vezes diárias, durante as quais são entoados, com vigor fora do comum, cantos bíblicos como “A Bíblia é palavra de vida / Um canto de amor que Deus escreveu para mim” e crianças de 4 anos, como a pequena Larissa Conrado, manuseiam a versão infantil do Velho Testamento. Outra diferença aparece nas aulas de ciências, nas quais os estudantes são apresentados, sem nenhuma espécie de visão crítica, à explicação criacionista do mundo, segundo a qual homens e animais foram criados por Deus, tal como está na Bíblia. Esse, sim, é um evidente atraso. Historicamente, o criacionismo vigorou no meio acadêmico até o século XIX, quando foi superado pela teoria da evolução de Charles Darwin, que pela primeira vez esclareceu a origem dos seres vivos com base em evidências científicas. Em escolas de estados mais conservadores nos Estados Unidos, ainda hoje o criacionismo predomina – e Darwin é banido do currículo. No caso dos colégios adventistas brasileiros, as crianças aprendem as duas versões. A diretora de uma das escolas, Ivany Queiroga da Silva, explica como a coisa funciona: “Deixamos claro nosso ponto de vista, criacionista, mas damos a chance de os alunos conhecerem os dois lados”. Por quê? “Respeitamos todos os nossos clientes. Além disso, eles precisam conhecer Darwin para passar no vestibular.

“Esse pragmatismo dos adventistas é outro fator que ajuda a explicar o sucesso de suas escolas. Enquanto muitos dos colégios católicos ainda são administrados de modo mais antiquado, tal qual um século atrás, os adventistas implantaram um novo conjunto de medidas para profissionalizar a gestão. Do primeiro colégio, inaugurado em 1896 na cidade de Curitiba, foi-se das aulas dadas por pastores no quintal da igreja às atuais unidades, nas quais diretores freqüentam cursos superiores de administração escolar e os melhores professores recebem bônus no salário. Reconhecidos pelo mérito, eles rendem mais em sala de aula – algo básico, mas ainda raro no Brasil. Para traçarem seu plano de expansão, os adventistas, que já são donos de seis universidades e uma editora de livros didáticos, também não hesitaram ao contratar consultores para definir “as demandas do mercado”. Foi decisivo para saber onde abrir novas unidades. Em 2008, eles pretendem inaugurar uma universidade e mais vinte escolas. Conclui o professor Orlando Mário Ritter, um dos diretores da rede adventista: “Para nós, encarar a educação como negócio não é sacrilégio. Estamos, afinal, no século XXI”. Falta ainda a essas escolas, no entanto, entender que o criacionismo foi superado pela ciência há mais de um século.

Fonte: Revista VEJA
http://veja.abril.com.br/120907/p_116.shtml