domingo, 20 de janeiro de 2013

A Religião a beira do Caos

                                          
Ele disse em alta voz: "Temam a Deus e glorifiquem-no, pois chegou a hora do seu juízo. Adorem aquele que fez os céus, a terra, o mar e as fontes das águas". (Apocalipse 14.7.)


                        Vale a pena ser religioso nos dias atuais? Uma pergunta importante num meio de tantas controvérsias hoje. A revista veja na sua edição especial na pág. 219 expressa assim: “A religiosidade brasileira é peculiar e define bem a natureza do país. Funciona a fogo brando. Somos o país do sujeito convencido de que é católico, sem a menor ponta de dúvida, mas só vai à Missa do Galo, mesmo assim levado pela mulher; não tem noção severa de pecado; escolhe dos Mandamentos o que quer ou não cumprir (sempre excluindo o sexto e o nono, evidentemente...); decide em que vai acreditar (sempre mais ou menos), e não sente grande compulsão de coerência interior”. Achei muito relevante esse texto, pois define a situação do povo católico na atualidade e por que não dizermos nós também?  Afinal não somos melhores do que ninguém; embora procurando obedecer aos Mandamentos.
                         A situação hoje é caótica, nunca vimos na história desse mundo o surgimento de tantos que, desacreditam na Bíblia, há aqueles também que não acreditam, quando e como surgiu o homem. É notório à falta de religiosidade de alguns; alegando ser, a religião um mal para sociedade e até um meio de domar com doutrinas a humanidade. Muitos desses nem mesmo e nem sequer abriram alguma vez as Escrituras Sagradas e quando leram não usaram o contexto. Por outro lado, a aqueles que leem à Bíblia, mas, não pratica o que ela recomenda.


                        São esses os ditos, sem religiões, com religiões não praticantes, com escassez de falta de preparo escriturísticos, que querem reformar à sociedade ao seu bel prazer. Numa cultura existente é óbvio, e até relevante se ter normas para que a sociedade viva respeitando-se uns aos outros. Sabe-se que, sem leis não há como punir os transgressores. A lei é um regente da moralidade para o bem comum de todos os seres humanos. Muitos religiosos e até anarquistas defendem que, não podemos ter certos tipos de leis, pois ofendem o direito do cidadão. Mas, convenhamos estaria certo a falta delas, haja vista o aumento da criminalidade e a decadência moral da sociedade? Já pensou a falta de legalidade nos direitos dos trabalhadores e civis? Não seria um caos, vivermos a margem da sociedade corrupta e promiscua? Acredito que sim! Um pouco disso tudo nós vemos em alguns países; a falta de leis que impeçam a progressão das mortes causadas por um regime autoritário. Isso sem contar o descrédito que dão a alguns religiosos que não praticam a mesma fé que eles.   
                       Alegando esses que, há somente um “Deus” que possa ser adorado e honrado; mas, são eles mesmos que querem impor esse regime cruel que, quebram outras leis morais de amor ao próximo. Exemplo: “Não matarás”. Os que impedem o adultério e adoração politeísta são os mesmos que matam e horrorizam com terrorismo a sociedade. Não parece uma incoerência? Claro que sim!


                      Há também aqueles que lutam chamados de ativistas que, querem a todo custo exercer influência grande sobre as pessoas, mas, que na calada da noite, vivem a margem do crime, da prostituição, da anarquia, do ódio e dos prazeres carnais. Querendo impor à sociedade uma restrição no casamento entre homens e mulheres, alegando ter os mesmos direitos sociais e morais iguais. "Não é bom que o homem esteja só; farei para ele al­guém que o auxilie(Mulher) e lhe corresponda". Gênesis 2:18Deturpando o que as religiões sérias e de formação histórica, dentro do contexto humano, social, moral e cívico pregam e querem de bom para a sociedade.


                     Está ai minha indignação! Até quando vamos tolerar os erros alegando igualdade a todos? Se no campo de igualdade a alguns que vivendo nos erros morais sociais e culturais querem ser respeitado, mesmo vivendo em regras desiguais a que as leis morais determinam; por que um ladrão ou um criminoso ou até mesmo um terrorista não poderia querer ter o respeito igual? Haja vista, eles quebram leis morais também, porém, são ditos, cidadãos a margem da sociedade. Acredito que ninguém e nenhum poder, atreveriam a dar tal igualdade. Duvido muito disso! Pois nós somos morais, e como tal, não admitimos os erros desses. Mas aceitamos e lutamos a favor de outros erros. Aonde irá a humanidade? Pense nisto!