terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Rússia envia navios para possível retirada de cidadãos da Síria, diz agênci



Moscou é maior fornecedor de armas do país em conflito e tem se mantido um aliado de Assad durante a revolta

18 de dezembro de 2012 | 12h 32

(Texto atualizado às 14h30) MOSCOU - A Rússia enviou navios de guerra para o Mar Mediterrâneo para o caso de ter que retirar seus cidadãos da Síria, informou a agência de notícias Interfax, citando uma fonte da Marinha nesta terça-feira, 18.
Regiões de Homs foram destruídas durante conflito - Reuters
Reuters
Regiões de Homs foram destruídas durante conflito
No que pareceu ser o mais claro sinal até agora de que a Rússia está fazendo preparativos firmes para uma possível retirada, um grupo de cinco navios, incluindo dois navios de ataque, um petroleiro e um navio de escolta, deixou um porto do Mar Báltico na segunda-feira, disse a fonte. Os navios seguiam para o Mediterrâneo e podem permanecer lá por um período indeterminado, relatou a Interfax.

"Eles estão indo para a costa da Síria para ajudar em uma possível retirada de cidadãos russos. Os preparativos para a implantação foram realizados às pressas e eram fortemente confidenciais", afirmou a fonte, segundo a agência.

O Ministério da Defesa se negou a comentar mas indicou a repórteres um comunicado em seu site na Internet que dizia que três navios partiram para a região e que "realizariam atividades para proteger embarcações civis". Não ficou claro se este é o mesmo grupo de navios que a fonte se referiu, ou se outro comboio foi enviadopara oferecer proteção para qualquer operação envolvendo a Síria.

O vice-chanceler Mikhail Bogdanov disse na semana passada que era possível que os opositores do presidente sírio, Bashar Assad, ganhassem a guerra civil na Síria e que a Rússia estava avaliando os preparativos para uma possível retirada.

Moscou é o maior fornecedor de armas da Síria e tem se mantido um aliado de Assad durante a revolta de 21 meses, e já o protegeu de três resoluções consecutivas da ONU destinadas a pôr pressão sobre ele.
Fonte: http://www.estadao.com.br/