terça-feira, 24 de junho de 2014

A Vida de Fidel Castro – O Revolucionário Comunista (2)


Passados anos, agora o pai de Fidel ver-se casado com uma professora onde teve dois filhos, Pedro e Lídia, mas mantinha um romance escondido com uma camponesa que trabalhava na sua casa, uma cozinheira da sua família.

Após a morte de sua esposa, Angel Castro desposou Lina Ruz Gonzalez, que teve três filhos: Ângela, Ramon e Fidel. Depois do casamento ainda teve três filhas e um filho chamado Raul.

Quando criança Fidel gostava de brincar nos campos da fazenda de seu pai com seus irmãos e irmãs.

Era uma criança forte alta, porém truculento e selvagem, tendo uma grande força e energia.

Gostava muito de nadar e amava o mar, onde visitava com frequência o porto, para ouvir as aventuras de histórias de pescadores com brigas com tubarões e baleias.

Seu amor pela aventura tinha uma grande ligação e transformação no seu caráter, pois fazia-se rebelde. Era tão aventureiro e enérgico que aos 6 anos de idade, pediu para ir à escola.

O pai Angel Castro não era um homem estudado, mas por causa da insistência do filho de estudar, matriculou numa institucional educacional pública.

Seus amigos de escola eram crianças pobres de famílias camponesas, onde iam frequentar descalças, com vestimentas muitos simples, onde ele presenciava isso, e incomodava-o, pois sua situação financeira era outra. Isso lhes fez perceber sua distância que havia na sua situação econômica com aquela que estava presenciando, e o resultado disso foi fundamental para sua formação revolucionária, donde partiu daí.

Em Havana já com 15 anos, no ano de 1942, estudou seu curso secundário numa escola dirigida por Jesuítas chamada, Escola Preparatória Belén. Ela era uma das melhores escolas secundárias de Cuba, onde pode ser conhecido como o melhor estudante, como também um excelente orador.

Gostava muito de futebol e atletismo onde foi considerado o melhor atleta em 1944, sobre sua fotografia havia um dizer assim: “Não duvidamos que ele encherá o livro de sua vida com páginas brilhantes”.

Contudo, não havia perdido ainda seu ar de jovem do campo. Como revelara ser um rapaz que quase sempre andava com roupas sujas, recebeu o apelido de Bola de Churre (Bola Suja).

Seu jeito fino, bem educado, tranquilo e ar de descansado, não impedia-lhe de ter coragem, pois quando desafiado numa luta com um colega de escola, foi golpeado até não ficar em pé.

Como havia si sentido humilhado, não deixou isso em vão e foi atrás da vingança, entretanto, foi posto de novo ao espancamento, só que dessa vez os que observavam, separaram eles.

Não desistiu com facilidade, e logo que pode voltou a desafiar o rapaz de novo numa luta, que o outro, já estava farto disso. O seu irmão Raul chegou a alegar: “é que ele nunca aceitará uma derrota.”

Numa época onde quem tinha um curso superior era privilegiado, Fidel entrou na Universidade de Havana em 1945, onde o que era mais vistas na cultura universitária, as disputas e a violência das atividades políticas de Cuba, que tudo era decidido através da força bruta de armas e punhos.

O cunho radical que estava enunciado era o Movimento Revolucionário Socialista ou União Insurrecional Revolucionária.

E era nesse ambiente que estava Fidel, num campo vulcânico onde ele assumiu uma grande paixão, que resolveu estudar Direito.

Embora não dando muita atenção aos estudos, tinha uma memória sensacional que o levou ao resultado esplendido na superioridade do curso, sendo aprovado com louvor.

Era um estudante com qualidades extraordinária que chamou a atenção de seus colegas, que o elegeram-no para a organização universitária Federal, onde sua participação fez que logo tivesse partidários ao seu favor, pois sua oratória era admirada.

Continua...

 http://igrejaremanescente-igrejaremanescente.blogspot.com.br/ * Serão permitida reprodução total quanto parcial, onde poder ser incluídos textos, imagens e desenhos, para qualquer meio, para sistema gráficos, fotográficos, etc., sendo que, sua cópia não seja modificada nem tão pouca alterada sua forma de interpretação, dando fonte e autor do mesmo. P.Galhardo.