sábado, 19 de janeiro de 2013

A Certeza da Salvação - Parte 2



                             Pesquisando os escritos de Ellen G. White, encontraremos abundante material onde ela, de maneira clara e objetiva, afirma que o cristão pode ter certeza da salvação.
                            “Que ninguém deixe sua segurança para a eternidade depender do acaso. Não deixeis que o assunto permaneça em perigosa incerteza. Perguntai-vos sinceramente. Estou eu entre os salvos, ou entre os que não estão salvos?” – Testemunhos para Ministros, pág. 443.
                            “Nem a morte, nem a vida altura ou profundidade, nada nos poderá separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus; não porque a Ele nos peguemos com firmeza, mas porque Ele nos segura com Sua forte mão. Se nossa salvação dependesse de nossos próprios esforços não nos poderíamos salvar; mas ela depende de Alguém que está por trás de todas as promessas”. – Atos dos Apóstolos, pág. 553.
                           A aceitação do Salvador traz paz perfeita, perfeito amor, segurança perfeita. A beleza, perfeito amor, segurança perfeita. A beleza e fragrância do caráter de Cristo manifestadas na vida testificam de que em verdade Deus enviou Seu Filho ao mundo para o salvar”. – Parábolas de Jesus, pág. 420.
                          “Satanás deleita-se em fazer com que os filhos de Deus andem penosamente, com temor e tremor sob contínua dúvida”. –Mensagens aos Jovens, pág. 63. Ela prossegue dizendo que fixando o olhar em Cristo as dúvidas e incertezas de desfarão.
                           “Até sua saúde física melhora pelo senso de sua confiança em Cristo”. – Conselhos Sobre Saúde, pág. 28.
                           Nas declarações de Parábolas de Jesus e Mensagens Escolhidas, Ellen G. White está condenando aqueles que afirmam ter certeza da salvação, confiando em suas forças, os que erroneamente pensam que aceitando o salvador estão salvos para sempre.
                           Alguns receiam declarar que tem certeza da salvação, porque isso parece cheirar a farisaísmo. Será realmente se a pessoa pensar que a salvação depende de boas obras e em crer que ela é melhor do que o próximo. Não será quando, conscienciosamente, se crê que a certeza da salvação vem pela aceitação do sacrifício que Cristo fez por nós.
                           A salvação exige convicção pessoal de nosso pecado, exige arrependimento, exige mudança total da vida através do novo nascimento, exige ainda que demos a Cristo o primeiro lugar em nossa vida. Se nos submetermos ao plano divino da salvação e a toda a orientação das Escrituras, poderemos afirmar com toda a certeza de que em Cristo estamos salvos.
                          Não ter certeza da salvação é indicação de falta de fé. Os heróis da fé do capítulo 11 de Hebreus nos comprovam que tiveram absoluta certeza da salvação.
                          A aceitação das verdades escriturísticas de que a salvação não depende de nossa obediência e méritos pessoais, mas unicamente da perfeita justiça de Cristo e da aceitação de Seu sacrifício por nós, leva-nos à conclusão de que aqui e agora devemos ter certeza da salvação.
                         A declaração paulina de Colossenses 1.27: “Cristo em vós, esperança da glória”, deve solidificar a nossa segurança.
                         Confiando em nós não há nenhuma certeza, mas confiando no poder e no amor divino por nós temos absoluta certeza. Rendamos sempre graças a Deus por esta sublime salvação. Amém!


Autoria: Pedro Apolinário
Ex-Professor: Línguas Mortas e Modernas do Antigo, I.A.E.
Livro: Pesquisas Serôdias - Edição - Novembro de 1987.