domingo, 10 de março de 2013

Liderança Cristã - A Importância da Organização


“Ora, os dons são diversos, mas o Espírito é o mesmo. E também há diversidade nos serviços, mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade nas realizações, mas o mesmo Deus é quem opera tudo em todos. A manifestação do Espírito é concedida a cada um, visando a um fim proveitoso”. (I Coríntios 12.4-7).

“Ora, vós sois corpo de Cristo; e, individualmente, membros desse corpo. A uns estabeleceu Deus na Igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro lugar mestres, depois operadores de milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas”. (I Coríntios 12.27-28).

O propósito Divino – Aumentando o nosso número, tornou-se evidente que sem alguma forma de organização, haveria grande confusão, e a obra não seria levada avante com êxito. A organização era indispensável para prover a manutenção do ministério, para levar a obra a novos campos, para proteger dos membros indignos tanto as igrejas como os ministros, para a conservação das propriedades da igreja, para publicação da verdade pela imprensa e para muitos outros fins. – Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, pág. 26.

A Obra do Senhor Requer Ordem – O Senhor não está satisfeito com a atual falta de ordem e exatidão entre os que trabalham na Sua obra. Mesmo nas reuniões de negócios da associação, poder-se-ia economizar muito tempo e evitar muitos erros, mediante um pouco mais de estudo e pontualidade. Tudo quanto tenha qualquer relação com a obra de Deus deve ser tão perfeito quanto seja possível ao cérebro e às mãos humanas. – Obreiros Evangélicos, pág. 460.

A Autoridade Suprema da Conferência Geral em Assembleia – Fui muitas vezes instruída pelo Senhor de que o juízo de homem algum deve estar sujeito ao juízo de outro homem qualquer. Nunca deve a mente de um homem ou de poucos homens ser considerada suficiente em sabedoria e autoridade para controlar a obra, e dizer quais os planos que devem ser seguidos. Mas quando numa assembleia geral, é exercido o juízo dos irmãos reunidos de todas as partes do campo, independência e juízo particulares não devem obstinadamente ser mantidos, mas renunciados. Nunca deve um obreiro considerar virtude a persistente conservação de sua atitude de independência, contrariamente à decisão do corpo geral... Deus ordenou que os representantes de Sua igreja de todas as partes da Terra, quando reunidos numa Associação Geral, devem ter autoridade. O erro que alguns estão em perigo de cometer, é dar à opinião e ao juízo de um homem, ou de um pequeno grupo de homens, a plena medida de autoridade e influência de que Deus investiu Sua igreja, no juízo e voz da Associação Geral reunida para fazer planos para a prosperidade e avançamento de Sua obra. – Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 408.

Solene Responsabilidade – Solenes são as responsabilidades impendentes sobre os que são chamados a agir com dirigente da igreja de Deus na Terra. – Atos dos Apóstolos, pág. 92.

Exigência Medida Pela Influência – O céu está observando para ver como os que ocupam posições de influência se desempenham em sua mordomia. O que se exige deles, nesse caráter de mordomos, é proporcional à influência que exercem. – Obreiros Evangélicos, pág. 495.

Responsabilidade da Liderança não é Brincadeira de Criança – A posição ocupada por meu marido é tão invejável. Requer a mais compenetrada atenção, cuidado e labor mental. Requer o exercício de acurado julgamento e sabedoria. Requer abnegação, coragem e vontade férrea para resolver problemas. Nessa posição importante, Deus terá um homem para se aventurar arriscar-se, caminhar firme e retamente, sejam quais forem às consequências; para batalhar contra os obstáculos e não desistir, mesmo que isso custe sua própria vida. – Testimonies, vol. 1, pág. 320.

Fonte: Liderança Cristã – Ellen G. White